EUA e China chegam a acordo para trégua em guerra comercial

EUA e China chegam a acordo para trégua em guerra comercial

Trump recebeu o vice primeiro-ministro chinês, Liu He, na Casa Brancapicture-alliance/AP Photo/A. Harnik

Os Estados Unidos e China chegaram nessa 6ª feira (11.out.2019) a 1 acordo parcial classificado pelo presidente americano, Donald Trump, como “significativo” para uma trégua na guerra comercial entre os 2 países.

O acordo parcial, que abrange questões sobre agricultura, moeda e proteção da propriedade intelectual, representa o maior passo para a resolução da guerra comercial que já dura 15 meses entre as duas maiores economias do mundo. O conflito atingiu mercados financeiros e desacelerou o crescimento global.

“Conseguimos 1 acordo significativo de 1ª fase, mas ainda não está redigido”, disse Trump a jornalistas durante uma reunião no Salão Oval com o vice primeiro-ministro chinês, Liu He.

Os governos não deram detalhes sobre o pacto, que será colocado no papel ao longo das próximas 4 semanas. O objetivo é que Trump e o presidente da China, Xi Jinping, o assinem o documento durante a cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), que será realizada em Santiago, no Chile, nos dias 16 e 17 de novembro.

“Estaremos no Chile, e terei uma [cerimônia de] assinatura formal com o presidente Xi”, afirmou Trump, que até agora não tinha confirmado se iria à cúpula. O presidente disse ainda que nos últimos meses houve muito “atrito” entre Estados Unidos e China, que agora, segundo ele, vivem 1 “festival do amor”.

“Este é 1 acordo tão grande que o estamos fazendo por seções”, declarou Trump, ressaltando que os 2 países se dedicarão a negociar uma “2ª fase” e do acordo e não descartou que haja uma 3ª.

O presidente americano explicou que o pacto inclui algumas medidas relacionadas à desvalorização da moeda chinesa e temas de propriedade intelectual, embora não aborde a transferência forçada de tecnologia na China, 1 tema que será discutido “na 2ª fase”.

O acordo parcial foi anunciado após 2 dias de negociações em Washington, das quais participaram o secretário americano do Tesouro, Steven Mnuchin, e o representante de Comércio Exterior dos EUA, Robert Lighthizer, além da delegação chinesa comandado por Liu.

Em virtude do pacto, os Estados Unidos suspenderam o aumento de 25% para 30% as tarifas sobre US$ 250 bilhões em produtos da China, que deveriam entrar em vigor na próxima semana. Por sua vez, o país asiático se comprometeu a adquirir de US$ 40 bilhões a US$ 50 bilhões em produtos agrícolas americanos, segundo a Casa Branca.

Há meses, os 2 países negociam uma forma de resolver a guerra comercial aberta pelo presidente americano. Fases de progresso e desastre tem se alterado ao longo das negociações. Em maio, as conversas pareciam ter entrado em colapso, mas ganharam 1 impulso depois da reunião entre Trump e presidente da China, Xi Jinping, durante a cúpula do G20 no Japão.

As tensões entre EUA e China têm raízes no desequilíbrio da balança comercial a favor do país asiático, que exporta US$ 419 bilhões a mais do que importa, o que segundo Trump acontece devido a injustas práticas comerciais do gigante asiático. Trump acusa ainda Pequim de práticas comerciais desleais, como transferências tecnológicas forçadas de firmas americanas e favorecimento de empresas chinesas com pesados subsídios.

CN/efe/rtr/ap/lusa

Poder360