João Pessoa 15/02/2019

Início » Política » Ex-assessor de Flávio Bolsonaro falta a depoimento pela 2ª vez

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro falta a depoimento pela 2ª vez

MP-RJ deve pedir audiência com Flávio Defesa afirmou que Queiroz foi internado

O ex-assessor Fabrício Queiroz (dir.) com o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ)Reprodução/Instagram flaviobolsonaro

O ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) Fabrício Queiroz faltou pela 2ª vez a 1 depoimento que iria prestar ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro). A audiência estava marcada para a tarde desta 6ª feira (21.dez.2018).

O depoimento é para explicar as movimentações atípicas na sua conta quando era motorista do filho do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

De acordo com dados do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), Queiroz teria movimentado R$ 1,2 milhão, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017. Uma das transações, 1 cheque de R$ 24.000, foi destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Inicialmente o depoimento estava marcado para 4ª (19.dez), mas Queiroz não compareceu, alegando motivos de saúde.

Em nota (íntegra), o MP-RJ afirmou que o advogado do motorista foi à sede do órgão nesta tarde para explicar que seu cliente estava internado e não poderia ir à audiência novamente. A defesa do ex-servidor se comprometeu a divulgar os laudos médicos até 28 de dezembro.

O Ministério Público afirmou que dará prosseguimento às investigações. O próximo passo é enviar 1 ofício ao presidente da Alerj (Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), sugerindo o comparecimento de Flávio Bolsonaro em uma audiência em 10 de janeiro, na qual ele deve prestar esclarecimentos sobre o caso.

Flávio Bolsonaro diz desconhecer as irregularidades.

Leia a íntegra da nota do MP-RJ:

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atribuição Originária em Matéria Criminal (GAOCRIM/MPRJ), comunica que o advogado do investigado Fabrício José Carlos Queiroz compareceu à sede do MPRJ, nesta sexta-feira (21/12), às 14h, para informar que seu cliente “precisou ser internado na data de hoje, para realização de um procedimento invasivo com anestesia, o que será devidamente comprovado, posteriormente, através dos respectivos laudos médicos”. A defesa se comprometeu a apresentar os referidos laudos até o dia 28/12. 

O MPRJ esclarece que dando prosseguimento às investigações será enviado oficio ao presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) sugerindo o comparecimento do deputado estadual Flávio Nantes Bolsonaro, no dia 10/01, para que preste esclarecimentos acerca dos fatos.

Outras diligências serão realizadas, incluindo a oitiva dos familiares do investigado Fabrício Queiroz, no dia 08/01, e dos  assessores da ALERJ, em data a ser designada.

Por fim, o MPRJ esclarece que alguns parlamentares citados no relatório do COAF procuraram, voluntariamente,  a instituição para manifestar interesse em apresentar seus esclarecimentos.

Abaixo, o Poder360 elenca a cronologia do caso:

6.DEZ.2018

O jornal O Estado de S. Paulo revela 1 relatório produzido pelo Coaf que aponta movimentações suspeitas na conta do ex-motorista. O documento é fruto da Operação Furna da Onça, ligada à Lava Jato no Rio.

Fabrício Queiroz teria movimentado, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017, R$ 1,2 milhão. Em uma das transações, 1 cheque de R$ 24.000 foi destinado à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

A assessoria de Flávio Bolsonaro afirma que não há “informação de qualquer fato que desabone” a conduta do ex-assessor parlamentar, exonerado em outubro para se aposentar. Pelo Twitter, Flávio confirma que Fabricio trabalhou com ele por mais de 10 anos e diz que o policial militar sempre foi de confiança.

O MPF (Ministério Público Federal) divulga nota em que confirma a existência do relatório do Coaf. De acordo com o MPF, o órgão não chancela a divulgação de trechos do documento “exceto se a movimentação relatada pelo Coaf, após examinada com rigor por equipe técnica, revelar atividade financeira ilegal“.

Segundo a nota, nem todos os nomes citados no relatório foram incluídos nas apurações, porque nem todas as movimentações atípicas são, necessariamente, ilícitas.

Os deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Paulo Teixeira (PT-SP), líderes da oposição, pedem à Procuradoria Geral da República que investigue Flávio e Michelle Bolsonaro.

Na proposta de representação criminal (íntegra), pedem à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que aprofunde as investigações.

7.DEZ.2018

O futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, irrita-se com perguntas de jornalistas sobre a transferência de R$ 24.000 da conta de 1 motorista do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) para a futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e abandona uma entrevista à imprensa.

O repórter Pedro Durán, da rádio CBN, gravou a cena e publicou no Twitter. Assista:

Vídeo incorporado
Veja o momento em que o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, abandona coletiva de imprensa em evento do Lide. Ele foi perguntado sobre as investigações da Coaf, de onde vinha o R$1,2 mi do segurança do futuro Sen. Flávio Bolsonaro. E questionou o salário de um repórter.

8.DEZ.2018

O jornal Folha de S.Paulo, revela que Fabrício Queiroz fez 176 saques em dinheiro vivo de sua conta corrente em 2016. Todos os saques foram de valores inferiores a R$ 10 mil, montante a partir do qual o Coaf alerta automaticamente às autoridades fiscais.

Flávio reafirma sua inocência no Twitter e diz que cabe a Fabrício prestar os esclarecimentos necessários ao Ministério Público.

Reprodução Twitter

No mesmo dia, em entrevista a imprensa, Bolsonaro afirma que conhece Queiroz a 34 anos e que já o ajudou financeiramente. O militar diz esperar que Fabrício se explique.

O presidente eleito defende o filho por não estar sendo investigado pela Polícia Federal na operação Furna da Onça.

 Em 2013, Fabrício José Carlos de Queiroz publicou fotos com Jair Bolsonaro em seu perfil do Instagram.

reprodução Instagram @queq3

O vice de Bolsonaro, general Hamilton Morão, também se manifesta. Em entrevista à jornalista Andréia Sadi, do portal G1, Mourão afirma que falta explicação para o caso.

“O ex-motorista, que conheço como Queiroz, precisa dizer de onde saiu este dinheiro. O Coaf rastreia tudo. Algo tem, aí precisa explicar a transação, tem que dizer”, diz Mourão.

10.DEZ.2018

O futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, diz que as movimentações bancárias nas contas do ex-motorista do senador Flávio devem ser investigadas. Mas que não cabe a ele como futuro ministro explicar o caso.

11.DEZ.2018

A análise do relatório do Coaf revela que a maior parte dos depósitos em espécie na conta de Fabrício Queiroz coincidem com as datas de pagamento na Alerj. Segundo o documento, 9 ex-assessores do deputado estadual e senador eleito repassaram dinheiro para o motorista.

O cruzamento dos dados foi feito pelo Jornal Nacional, da TV Globo. Segundo o jornal, em março, abril, maio, junho, agosto e novembro houve depósitos no mesmo dia do pagamento.

Em dezembro, houve depósitos 1 dia depois do salário e no mesmo dia em que foi pago o 13º para os funcionários da Alerj.

12.DEZ.2018

Em uma live no Facebook, Bolsonaro diz que ele e o filho Flávio não são investigados no caso da Coaf. Ao se despedir, afirma que se “algo estiver errado […] que paguemos a conta deste erro”.

Por fim, Bolsonaro diz que “dói no coração” o caso ter vindo a público, mas que concorda e acha que tudo precisa estar exposto.

13.DEZ.2018

Flávio Bolsonaro divulga nota (íntegra) em que afirma não ter feito “nada errado. Critica a abordagem da imprensa no caso e diz que não tem como obrigar o antigo assessor a falar sobre o assunto.

Não fiz nada de errado. Sou o maior interessado em que tudo se esclareça para ontem, mas não posso me pronunciar sobre algo que não sei o que é, envolvendo meu ex-assessor”, diz o comunicado.

14.DEZ.2018

O jornal Folha de S.Paulo apura que o nome da filha de Fabrício, Nathalia Queiroz, aparece no documento do Coaf.

Nathalia é personal trainer, mas além desta profissão também acumulava 1 cargo no gabinete do deputado federal e presidente eleito Jair Bolsonaro. Ela foi nomeada em dezembro de 2016 e exonerada em outubro de 2018, mesmo mês em que seu pai deixou o gabinete de Flávio, na Alerj.

De acordo com o jornal, as redes sociais de Nathalia exploravam principalmente sua atuação como educadora física. Havia, inclusive, fotos com atores famosos, como Bruna Marquezine, Bruno Gagliasso e Giovanna Lancelloti.

Reprodução Facebook Nathalia Queiroz

Além de trabalhar para o militar, a educadora física também atuou como assessora do senador eleito Flávio, em 2007. Na época, era funcionária da vice-liderança do PP, partido do filho do presidente eleito na época, onde permaneceu até fevereiro de 2011.

Em agosto do mesmo ano, voltou a trabalhar para Flávio, dessa vez em seu gabinete. Ela deixou o cargo em dezembro de 2016.

15.DEZ.2018

De acordo com o jornal O Estado de  São Paulo, uma análise na movimentação financeira mostra que Nathalia pode ter repassado para Fabrício o equivalente a quase tudo que recebeu na Alerj durante o período investigado.

A filha de Fabrício repassou para o seu pai R$ 97.641,20, uma média de R$ 7.510,86 por mês. O valor equivale a 99% do pagamento líquido da Alerj a Nathalia em janeiro de 2016, segundo a folha salarial do Legislativo fluminense.

No entanto, como não há acesso a todos os dados sobre a movimentação financeira total de Nathalia, não é possível dizer com certeza que o dinheiro veio exclusivamente dos pagamentos que ela recebia da Alerj.

Fabrício e Nathalia Queiroz em 26 de março de 2013. A legenda da foto no Instagram é: “Eu e minha filha partindo para a vida!! Facu e trabalho.. Partiu!!”reprodução Instagram @queq3

16.DEZ.2018

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, nega-se a comentar o caso ao ser abordado por jornalistas ao sair de sua residência para tomar água de coco em 1 quiosque, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio.

18.DEZ.2018

O senador eleito, Flávio Bolsonaro afirma que movimentação atípicas de seu ex-assessor deve ser explicada pelo próprio Fabrício Queiroz: “A movimentação atípica é na conta dele. No meu gabinete todo mundo trabalha.”

“Não tem nada de errado com o meu gabinete, estou aqui no momento que Deus está me dando a oportunidade de exercer o mandato de senador pelo Rio de Janeiro e é isso o que eu vou fazer. Estou com toda a tranquilidade, sem dever nada para ninguém”, completou.

A declaração foi feita quando ele chegava à cerimônia de diplomação para o cargo de senador, realizada na Emerj (Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro), no centro do Rio.

Sobre Nathalia Melo de Queiroz, filha de Fabrício Queiroz, Flávio Bolsonaro afirma que nada a impede de ocupar dois empregos ao mesmo tempo.

“Aqui não é quartel, nada impede a pessoa de ter uma outra atividade, sem problema nenhum”, afirmou.

Já na saída da cerimônia de diplomação, o senador eleito disse ao Estadão que muitas coisas estão mal explicadas na divulgação do relatório do Coaf.

“Agora, muitas coisas estão mal explicadas. Por que só o sigilo bancário dele veio a público? Será que só para me atingir? Será que é para atingir o presidente eleito, causar uma desestabilização no começo do governo?”, questionou.

19.DEZ.2018

Fabrício José Carlos de Queiroz não comparece ao MP-RJ (Ministério Público no Rio de Janeiro) para depor.

Em nota, o Ministério Público do Rio informa que os advogados de defesa de Fabrício comunicaram que “não tiveram tempo hábil para analisar os autos da investigação”.

A defesa do ex-assessor teria dito ainda que seu cliente teve “inesperada crise de saúde” e estaria em atendimento para a realização de exames médicos de urgência, acompanhado de sua família.

O procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem, remarca o depoimento do ex-assessor do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) para esta 6ª feira (21.dez).

21.DEZ.2018

Pela 2ª vez, Fabrício José Carlos de Queiroz não comparece ao MP-RJ (Ministério Público no Rio de Janeiro) para depor.

Em nota (íntegra), o MP-RJ afirma que o advogado do motorista foi à sede do órgão nesta tarde para explicar que seu cliente estava internado e não poderia ir à audiência novamente. A defesa do ex-servidor se comprometeu a divulgar os laudos médicos até 28 de dezembro.

O Ministério Público afirma que dará prosseguimento às investigações. O próximo passo é enviar 1 ofício ao presidente da Alerj (Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), sugerindo o comparecimento de Flávio Bolsonaro em uma audiência em 10 de janeiro, na qual ele deve prestar esclarecimentos sobre o caso.

Poder360 preparou 1 infográfico para ilustrar o caso:

Poder360