Ex-engraxate paraibano é o mais novo membro do grupo de bilionários da Forbes - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Ex-engraxate paraibano é o mais novo membro do grupo de bilionários da Forbes

bilionário engraxate
O empresário paraibano Janguiê Diniz foi anunciado pela Forbes, há pouco, como o mais novo brasileiro presente em sua seleta lista de bilionários. Ele é fundador e principal acionista do grupo Ser Educacional e mora no Recife há mais de duas décadas.

José Janguiê Bezerra Diniz é dono de universidades espalhadas pelo Nordeste. Em outubro do ano passado, o Ser Educacional anunciou a venda de 281,5 milhões de dólares em ações e entrou na bolsa de valores.
O patrimônio de Janguiê foi, então, estimado em US$ 1,1 bilhão pela Forbes.
Biografia

A história de vida de Janguiê Diniz parece revelar uma identidade natural com as histórias, os caminhos ou mesmo os sonhos de cada um dos cerca de 50 mil alunos que circulam diariamente pelas instituições de ensino do Grupo Ser Educacional, fundado por ele. Da infância pobre e rural em pequenas cidades do interior que sequer aparecem no mapa do país; da rotina sacrificada na adolescência, com noites de renuncia da juventude e dividindo-se entre o trabalho e a escola; passando horas e horas debruçado sobre livros; e da persistência nos momentos de fraqueza; vieram a vontade incansável de vencer na vida e de vencer a vida.

José Janguiê Diniz nasceu em 21 de março de 1964, no distrito de Santana dos Garrotes na Paraíba. Era um dos sete filhos de Lourdes e João. Aos seis anos, sua família deixou o Sertão paraibano e seguiu para o centro-oeste, para o município de Naviraí, no Mato Grosso do Sul. Aos 8 anos, Janguiê montou seu primeiro “empreendimento”: uma caixa de engraxate. Pouco depois, trocou a graxa nos sapatos, pela venda de laranjas. Até que os seus pais decidiram mais uma vez mudar de região. Seguiram então para Pimenta Bueno, em Rondônia. Mesmo com tantas mudanças, os pais sempre o incentivaram a estudar.

Aos 14 anos, ele se deparou com uma encruzilhada. Não havia 2º grau em Pimenta Bueno. Para continuar estudando, seria preciso deixar a família e seguir só dali pra frente. O destino escolhido foi o Recife, onde Janguiê procuraria um tio que nunca conhecera. O advogado Nivan Bezerra da Costa tomou um susto quando viu o sobrinho franzino entrar pelo seu escritório e pedir ajuda para poder estudar no Recife. Tio que logo se tornaria um segundo pai para Janguiê. O garoto ganhou um emprego como datilógrafo e um lugar para dormir numa gráfica em um dos antigos casarões da Rua Velha, no centro do Recife. Trabalhava de dia e estudava a noite. Estudava muito. O sonho de fazer medicina foi substituído pelo fascínio despertado pelo Direito. Prestou vestibular em 1983 e foi aprovado na UFPE.

A experiência no escritório do tio fez com que Janguiê começasse a faculdade com um certo domínio na área. Isso talvez explique como, ainda no 4º ano do curso, ele já havia montado uma empresa de cobranças com 30 funcionários trabalhando para ele. Os lucros da empresa foram diminuindo e levaram Janguiê de volta aos livros. Eram seis horas diárias dedicadas aos estudos para o concurso da magistratura trabalhista. Em 1992, Janguiê tornou-se juiz togado do trabalho. Nesta época, já havia se formado em Letras na Unicap e ensinava na Faculdade de Direito de Olinda.

Embora tenha conquistado uma vaga de juiz no Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região, exerceu o cargo por apenas um ano, para poder se dedicar a outra carreira e a outros projetos. Em 1993, passou no concurso público para Procurador do Trabalho do Ministério Público da União e no de professor efetivo da Faculdade de Direito do Recife – UFPE. Fez várias pós-graduações lato sensu, além de mestrado e doutorado na UFPE. Escreveu vários livros sobre direito e educação. Em 1994 fundou o Bureau Jurídico, curso preparatório para concursos públicos. No mesmo ano, Janguiê começou a investir na realização de congressos nacionais e internacionais na área jurídica.

Em 1998, fundou o BJ Colégio e Curso, que atualmente oferece turmas da Educação Infantil ao Pré-Vestibular. Em 2003, nasce no Recife, a Faculdade Maurício de Nassau acompanhada por uma nova marca, o Grupo Ser Educacional. Em 2007, é fundada a Faculdade Joaquim Nabuco, com unidades em Paulista e no Recife. No mesmo ano, a Maurício de Nassau se expande para o estado da Paraíba, abrindo unidades nos municípios de João Pessoa e Campina Grande. No ano seguinte, a instituição implanta unidades em Salvador e Lauro de Freitas, na Bahia, e em Natal, no Rio Grande do Norte, e Maceió, em Alagoas. Em 2010 foram abertas as unidades de Fortaleza, no Ceará, Aracajú em Sergipe. E em 2011 foi criada a Maurício de Nassau de Belém, no Pará. Agora se prepara para abrir unidades em Caruaru, no Agreste pernambucano, em São Luis no Maranhão e em Manaus no estado do Amazonas. O processo de expansão é acompanhado pelo Grupo Ser Educacional, que reúne todas as instituições.

Ao olhar para trás, Janguiê não se arrepende de ter passado boa parte de sua vida sobre livros. Foram as páginas que lhe guiaram numa bela trajetória de vitórias. Seu nome é reconhecido como sinônimo de talento e obstinação.