João Pessoa 17/12/2018

Início » Notícias » Exército pede investigação sobre coronel da reserva que fez ameaças ao STF

Exército pede investigação sobre coronel da reserva que fez ameaças ao STF

Coronel Carlos Alves afirma, em vídeo, que o STF é um "Supremo Tribunal de canalhas, de corruptos, de vagabundos"

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, pediu, nesta terça-feira (23) que o Ministério Público Militar (MPM) investigue a conduta do coronel da reserva Carlos Alves. Em vídeo publicado na internet, ele incita o fechamento do Supremo Tribunal Federal, ataca a ministra Rosa Weber e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Em nota, o Exército confirmou a identidade do militar e disse que ele “deve assumir as
responsabilidades pelas declarações, as quais não representam o
pensamento do Exército Brasileiro”. Os ministros da Segunda Turma do Supremo também oficiaram a Procuradoria-Geral da República (PGR) para que abra investigação sobre o caso.
No vídeo, publicado na internet, o coronel Carlos Alves fala em uso de poder militar para fechar o Supremo. Ele faz ameaças, caso o TSE aceite a denúncia que foi apresentada contra o deputado Jair Bolsonaro, candidato do PSL ao Palácio do Planalto, acusado de receber o apoio de empresários para contratar pacotes de disparos em massa de mensagens no WhatsApp. “Se você aceitar essa denúncia ridícula e tentar tirar Bolsonaro por crime eleitoral, nós vamos derrubar vocês ai sim. Por que ai, acabou. Lembre-se bem, povo brasileiro, que em 1964 foi exatamente por causa dessa corja da esquerda que o povo pediu e as Forças Armadas e o Congresso Nacional entraram em ação”, disse Alves.
Na gravação, que foi ao ar na sexta-feira (20/10), o militar da reserva chama a Suprema Corte de um “Supremo Tribunal de canalhas, de corruptos, de vagabundos” e o diz que o “TSE e um “tribunal porcalhão”. Nas imagens, o homem aparece de cavanhaque, o que foge dos padrões utilizados nas Forças Armadas, indicando que se trata de um militar da reserva.
Correio Braziliense