João Pessoa 25/03/2019

Início » Política » Fachin homologa delação que cita propina a Renan Calheiros, diz jornal

Fachin homologa delação que cita propina a Renan Calheiros, diz jornal

Lobista afirma ter pago R$ 11,5 mi Outros políticos do MDB são citados

Senador Renan Calheiros discursa contra a interferência do STF na votação para presidente do Senado. Brasilia, 19-12-2018. Foto: Sérgio Lima/Poder360

Renan Calheiros durante discurso contra a interferência do STF na votação para presidente do Senado

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin homologou no fim de novembro a delação premiada de Jorge Luz, lobista que teria relatado à PGR (Procuradoria Geral da República) o pagamento de propina ao senador Renan Calheiros (MDB-AL) e aliados.

A informação é do jornal O Globo. Segundo a reportagem, o acordo envolve Luz e seu filho Bruno, também lobista, que atuavam na Petrobras e se relacionavam com políticos do MDB. Bruno, inclusive, teria sido autorizado a deixar a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso, para passar o Natal em casa por conta da homologação.

Já Jorge segue em prisão domiciliar desde fevereiro de 2018. Ele teria entregue 1 grande volume de documentos que incluem extratos de contas no exterior e detalhado o sistema de pagamento de propina de, pelo menos, R$ 11,5 milhões para Renan, Jader Barbalho (PA), o ex-ministro de Minas e Energia Silas Rondeau e o deputado federal Aníbal Gomes (MDB-CE).

De acordo com a delação, os repasses eram feitos por Aníbal Gomes ou seu assessor Luís Carlos Batista Sá. Eles representariam Calheiros nas negociações indicando contas no exterior onde o pagamento deveria ser depositado. Os valores seriam contrapartidas por contratos da diretoria Internacional da Petrobras, que estaria sob influência do MDB através do então diretor Nestor Cerveró.

O acordo, mantido sob sigilo pelo STF, prevê o ressarcimento de aproximadamente R$ 40 milhões aos cofres públicos. O montante teria sido definido com base nos crimes e repasses de propina realizados por eles.

Com a homologação, a PGR fará novas investigações com base nas provas entregues pelo lobista.

Poder360