Fachin vota por tornar líderes do PP réus por organização criminosa

Fachin vota por tornar líderes do PP réus por organização criminosa

O deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) e o senador Ciro Nogueira (PP-PI) estão entre os investigados

O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), votou nesta 3ª feira (4.jun.2019) por aceitar a denúncia de organização criminosa contra a cúpula do PP (Partido Progressista). Após o voto do ministro, relator do caso, o julgamento foi suspenso na 2ª Turma do Supremo, sendo adiando por tempo indeterminado.

Os políticos envolvidos na investigação são os deputados federais Eduardo da Fonte (PE), Arthur Lira (AL) e Aguinaldo Ribeiro (PB) e o senador Ciro Nogueira (CE). Todos negam a acusação.

Com o adiamento desta 3ª (4.jun) –o 2º em duas semanas–, restam ainda os votos dos ministros Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia, integrantes restantes da 2ª Turma.

Fachin negou que seu voto tenha sido baseado apenas em delações premiadas. Segundo o relator, há documentos que registram a presença constante dos acusados no escritório do doleiro Alberto Youssef, que deu origem à Operação Lava Jato.

Além disso, o ministro afirmou que há provas de que os progressistas estavam constantemente nos escritório da Petrobras. Por outro lado, disse que não tem como provar que os políticos praticaram crimes no exterior. Se isso fosse comprovado, os possíveis réus responderiam por crime transnacional, o que agravaria a pena deles.

“À luz desses elementos, desse quadro probatório a essa altura, constato que os elementos de informação colhidos no decorrer da atividade investigativa dão suporte necessário e suficiente à tese acusatória, nesse momento processual, de modo a autorizar o recebimento da denúncia e a consequente deflagração da ação penal”, afirmou Fachin.

Poder360