Fagner faz show no Ponto de Cem Réis em homenagem ao aniversário de JP

Fagner faz show no Ponto de Cem Réis em homenagem ao aniversário de JP

No dia em que é celebrado a festa de Nossa Senhora das Neves, o cantor Raimundo Fagner faz show gratuito em João Pessoa. A apresentação que também marca a comemoração de João Pessoa, acontece no Ponto de Cem Réis, integra a programação da Festa das Neves 2019.

A primeira atração a subir ao palco será o grupo Lapinha Jesus de Nazaré, às 18h. Em seguida, às 20h, será a vez da Banda Tentáculos. O encerramento da Festa ficará por conta de Fagner, que se apresentará às 22h.

Além dos shows, o festejo conta com barracas de lanches e parques de diversão que estão funcionando desde o dia 27 de julho. A tradicional procissão de Nossa Senhora das Neves também ocorrerá nesta segunda-feira (5), como parte da programação religiosa.

Fagner- Discípulo de Luiz Gonzaga, Fagner completa 70 anos de idade, com a marca que pautou uma carreira de quase cinco décadas. No show desta noite em João Pessoa, ele promete fazer o público reviver os grandes sucessos de sua carreira.

Caçula de cinco irmãos, Raimundo Fagner Cândido Lopes é cearense, cresceu em Orós, no interior do estado. Desde pequeno se interessou pela música, tanto que aos 5 anos ganhou um concurso infantil na rádio local. Em 1968, levou o primeiro lugar no IV Festival de Música Popular do Ceará com a música Nada Sou. No início dos anos 1970, mudou-se para Brasília para cursar Arquitetura. Não chegou a completar o curso, mas foi na capital que deu início a sua carreira nacional.

Em parceria com outros artistas nordestinos, como Ricardo Bezerra e Belchior, Fagner foi destaque no Festival de Música Popular do Centro de Estudos Universitários de Brasília, levando o primeiro lugar com a canção Mucuripe, o sexto lugar com Manera Fru Fru Manera e menção honrosa por Cavalo Ferro. A partir daí, suas músicas começaram a ser executadas nos bares da capital.

Sua mudança para o Rio de Janeiro, em 1971, não foi uma surpresa. Em 1972, o cantor gravou Mucuripe, que viria a ser seu primeiro hit, num compacto da série Disco de Bolso do jornal O Pasquim, que no outro lado trazia uma canção de Luiz Gonzaga interpretada por Caetano Veloso, A volta da Asa Branca. Ainda em 1972, a gravação de Mucuripe por Elis Regina consagrou Fagner como compositor.

Com personalidade forte, temperamental, o cantor e compositor sempre foi determinado pelo sucesso popular. Conseguiu transitar e engatar parcerias para além da música – seu principal metiê até hoje.

Anderson Soares