feira-de-livros

Feira de livros usados de Mangabeira oferece economia no material escolar

feira-de-livrosFeira acontece há 18 anos no bairro de Mangabeira, em João Pessoa (Foto: Wallace Gonçalves/Arquivo Pessoal)

Fugir dos preços altos e diminuir o orçamento familiar foram motivos para Wallace Gonçalves expor livros escolares novos e usados em uma feira no bairro de Mangabeira, em João Pessoa. A Feira de Livros, fundada por Wallace, existe há 18 anos e, segundo ele, os pais conseguem economizar, no mínimo, 50% no valor dos livros. Hoje, mais cinco pessoas montam suas bancas ao lado dele para ajudar pais que procuram economizar no momento da compra do material escolar.

A feira funciona na Associação de Moradores do bairro de Mangabeira (Prosind), próximo ao Mercado Público do bairro, das 8h às 17h e aos sábados, das 8h às 13h (horário local), até o dia 28 de fevereiro. A única recomendação é que os livros estejam em bom estado e que a venda tenha preço justo.

Na primeira edição da feira, foram duas semanas de venda, troca e compra. Hoje os meses de janeiro e fevereiro são reservados para a Feira de Livros. “Eu achei a ideia fantástica e eu sempre tive dificuldades de comprar livros para os meus filhos”, confessa Wallace.

Se o livro do cliente interessar ao comprador, a troca acontece, mas sempre dois livros por um, no mínimo. De acordo com Wallace, que já trabalhou muitos anos como comerciário e hoje é funcionário público, se os pais levarem livros usados pelos filhos no ano anterior, a economia pode atingir até 75%.

Livros podem ser novos ou usados, desde que esteja em bom estado (Foto: Wallace Gonçalves/Arquivo Pessoal)Livros podem ser novos ou usados, desde que esteja em bom estado (Foto: Wallace Gonçalves/Arquivo Pessoal)

Para facilitar a pesquisa, os pais podem mandar por mensagem a lista de livros dos filhos. No primeiro momento livre, os vendedores respondem os livros que estão disponíveis. “São livros em estado quase de novo, tem livro que parece que nunca foi usado”, diz Wallace.

Para que no próximo ano a economia seja ainda maior, Wallace recomenda que os livros sejam encapados, para não prejudicar a capa, que as crianças tenham cuidado no momento de colocar os livros na mochila e evitar, ao máximo, riscar as páginas. Se possível, evitar até o lápis grafite. “Eu adoro esse trabalho, me motiva, a gente sabe das dificuldades em comprar livros, são muito caros”, ressalta.

Doação para biblioteca pública
Para os livros que não servem para troca ou venda, a Feira de Livros tem uma parceria com a ONG Vem Cuidar de Mim, que está criando uma biblioteca pública na comunidade do Timbó, no bairro dos Bancários. Os livros podem ser entregues na sede da Associação de Moradores do bairro de Mangabeira (Prosind) ou no Detran-PB.

G1