João Pessoa 15/02/2019

Início » Cidades » Filho de Fernandinho Beira-Mar matou três pessoas no primeiro dia do ano, diz MP

Filho de Fernandinho Beira-Mar matou três pessoas no primeiro dia do ano, diz MP

Marcelo Fernando de Sá Costa foi preso no dia 1º por porte ilegal de arma e em veículo roubado. Investigação concluiu que ele matou três pessoas sem nenhum motivo aparente no mesmo dia

Marcelo Fernando de Sá Costa, filho de Fernandinho Beira-Mar, é apontado como autor de três mortes em Caxias – Divulgação / Polícia Militar

Rio – O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) concluiu, em duas denúncias apresentadas à Justiça, que Marcelo Fernando de Sá Costa, filho de Fernandinho Beira-Mar, matou três pessoas na manhã do primeiro dia de 2019. No mesmo dia, Marcelo foi preso por porte ilegal de arma e em um veículo roubado.

As vítimas foram identificadas como Wallace Manoel Simões Rangel, morta na Estrada Barão do Amapá, em Duque de Caxias. Na mesma data, o MP denuncia que o filho de Beira-Mar disparou contra Diogo Luiz Carvalho de Lima e Wesley Oliveira da Silva na Rua Mario Behring, no mesmo município, também levando os dois homens à morte.

No caso de Wallace, o órgão denuncia o homicídio qualificado e que a morte ocorreu “através de emboscada ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido”, com pena prevista de reclusão de 12 a 30 anos.

Em relação as duas outras mortes, Marcelo Fernando é denunciado também por homicídio qualificado, mas “mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe”, também com pena prevista de reclusão de 12 a 30 anos.

Além de outras diligências, foi realizado confronto balístico entre a arma apreendida com Marcelo e os projeteis retirados dos corpos das três vítimas, cujo laudo foi positivo. Marcelo Fernando foi preso no mesmo dia das mortes pelo crime de porte ilegal de arma de fogo e receptação, por estar em um veículo Fiat Idea verde, que era roubado. As investigações foram realizadas pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).

O Dia