Fluminense joga mal e perde para o Avaí: 1 a 0.

flu_avai2Ronaldinho teve atuação apagada no jogo entre Fluminense e Avaí – Nelson Perez/Divulgação Fluminense

Nos últimos anos, Ronaldinho Gaúcho se especializou em deixar os fãs de um jogo bonito escravos da incerteza. Por vezes, dá sinais de que está em viés de crescimento, até que se exibe sem brilho. Neste sábado, na derrota de 1 a 0 do Fluminense para o Avaí, após um primeiro tempo de muitos erros, parecia alheio ao jogo no segundo. Até dar um belo passe para Marcos Júnior, na melhor chance do time, que jogava muito mal. Nestas horas, surge a pergunta: por que não produz tais lances mais vezes?

Não é justo colocar todo o peso em Ronaldinho. A derrota por 1 a 0 para o Avaí, na Ressacada, foi fruto de uma atuação taticamente ineficiente e de uma série de exibições individuais abaixo da crítica.
No primeiro tempo, Ronaldinho buscava o jogo. Mas era desarmado com constrangedora facilidade. Mas o primeiro tempo de todo o Fluminense era equivocado. A começar pelo planejamento de jogo. A quantidade enorme de desfalques, como Fred, Jean, Osvaldo e Gérson serve de atenuante. Mas a reação a eles foi ineficiente. A opção por Magno Alves como centroavante ajudou a sobrecarregar toda a marcação. Assim como Ronaldinho, que jogava pelo meio, o atacante tinha pouca mobilidade, pouco vigor. E o setor central de campo sofria muito. Ainda mais diante de um Avaí compacto e muito competitivo. Eram perfis opostos de time. E foi justamente pelo meio que saiu o gol do Avaí. Diego Cavalieri rebateu mal o chute de Rômulo e deu o rebote a André Lima.

E nem só de problemas táticos padecia o tricolor. Além de Ronaldinho e Magno, jogavam mal os laterais e Gustavo Scarpa. Com tudo isso, houve uma chance de ouro, num córner que o goleiro Diego soltou e Marlon desperdiçou.

Enderson Moreira tentou mudar o panorama com Cícero no lugar de Breno Lopes. O Fluminense continuou previsível e superado pela marcação. Cenário que só seria alterado a 15 minutos do fim. Quando Lucas Gomes entro no lugar de Pierre, o time ocupou o campo rival. Também o fez porque os catarinenses deixaram de pressionar a saída de bola tricolor. Mas eram raras as finalizações. O Ronaldinho do segundo tempo era passivo, talvez cansado. Com tudo isso, nos minutos finais, criou as melhores jogadas. Deu o passe para Marcos Júnior chutar rente à trave, aos 42. E, aos 49, bateu o córner que Édson cabeceou com enorme perigo.
Fluminense não jogou bem e foi derrotado pelo Avaí em Santa Catarina – Nelson Perez/Divulgação Fluminense
AVAÍ 1 x 0 FLUMINENSE

Local: Ressacada, Florianópolis (SC)

Árbitro: Thiago Duarte Peixoto (SP)

Auxiliares: Marcio Eustaquio S Santiago (MG) e Rogerio Pablos Zanardo (SP)

Público e renda: 11.033 pagantes / R$288.720,00

Cartões Amarelos: Pierre e Edson (Fluminense); Eltinho e Romulo (Avaí)

PUBLICIDADE

Gol: André Lima, aos 5’/1°T (1-0)

Avaí: Diego; Nino Paraíba, Antonio Carlos, Jéci e Eltinho (Romário, aos 17/2°T); Adriano, Tinga, Pablo e Marquinhos (Everton Silva, aos 25’/2°T); Romulo e André Lima (Roberto, no intervalo). Técnico: Gilson Kleina.

Fluminense: Diego Cavalieri; Wellington Silva, Henrique, Marlon e Breno Lopes (Cícero, intervalo); Pierre (Lucas Gomes, aos 31’/2°T), Edson, Gustavo Scarpa e Ronaldinho Gaúcho; Marcos Júnior e Magno Alves (Wellington Paulista, aos 12’/2°T). Técnico: Enderson Moreira.

O Globo