Fuja das ciladas da alimentação

Alimentos não saudaveisVocê vai ao supermercado e compra um suco de uva, mas, naquelas letrinhas que a gente quase não consegue ler, o primeiro ingrediente que aparece é maçã. Estranho? Mas é isso mesmo. Muitas marcas, para baratear o produto, produzem bebidas mistas, mas essa informação não fica clara para o consumidor. Essa é apenas uma das muitas armadilhas alimentares.O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) divulgou uma pesquisa sobre bebidas industrializadas. E, segundo a nutricionista do Idec, Ana Paula Bortoletto, o consumidor precisa ficar atento às diferentes categorias nesse setor. “Nós avaliamos os néctares, que são bebidas à base de frutas adoçadas. E boa parte tinha menos frutas do que o exigido por lei”.

 Entre as amostras adquiridas para o teste, há bebidas com “cara” de uva e que destacam na embalagem um cacho da fruta. Mas seu ingrediente principal é suco de maçã. “O consumidor compra gato por lebre”.

Para chegar ao sabor e cor desejados, essas bebidas mistas costumam usar aditivos, como corantes, em grande quantidade. E os problemas não param por aí. “As crianças deveriam consumir o mínimo possível. O açúcar na forma líquida é difícil de ser reconhecido como caloria. Elas acabam consumindo mais, achando que é um suco de fruta, e o organismo não consegue identificar aquelas calorias acumuladas, o que pode, quando consumidas em excesso, levar à obesidade ou até mesmo ao diabetes”.

E, se você gosta de tomar o suco em pó, fica o alerta. “Os sucos de pozinho têm 1% de fruta. O restante é açúcar”, destaca Ana Paula.

A nutricionista Brenda Reblin explica que os fabricantes não indicam claramente a quantidade de açúcar nessas bebidas. “Em um copo pequeno de suco de laranja de caixinha (200ml), há 27g de carboidrato, o que corresponde a três colheres de sopa rasas de açúcar mais o carboidrato da fruta. Assim, acredito que em um copo pequeno há duas colheres de sopa rasas de açúcar”.

Apesar da praticidade, o suco em caixinha e em pó deve ser evitado. “A fruta in natura é sempre a melhor opção”, sugere a Ana Paula.

Foto: Carlos Alberto Silva – GZAo descobrir os males dos nuggets e sucos de caixinha, a mamãe Jhoelayne decidiu aumentar o consumo de frutas e alimentos mais naturais para Maria Júlia
NuggetsToda essa informação pegou de surpresa a professora Jhoelayne Paixão. Ela nunca desconfiou que o suco de “uva” era uma mistura de frutas e aditivos. Mas o que realmente preocupou a mãe da Maria Júlia, de 1 ano e 4 meses, foi a quantidade de gordura presente nos nuggets. “Eu achava que era franguinho”.

A nutricionista Virgínia Dantas explica que os nuggets são compostos em boa parte por gordura e carboidratos, além do glutamato monossódico, substância que aumenta a vontade de comer. Agora, Jhoelayne quer distância deles. “Parei de comprar. Deus me livre”.

Os pais também devem ter atenção às bisnaguinhas. Ela é fofinha graças à muita gordura hidrogenada. É feita de farinha branca e açúcar, ou seja, pobre em fibras e nutrientes.
Outra dica: repare na grande quantidade de açúcar que sobra no saquinho de cereal. Procure as opções sem açúcar e adicione frutas, como banana, para deixar a mistura mais doce. Depois que seu filho tiver 1 ano, dá para usar mel.
Parece, mas não é! Fique de olho!
Peito de peru
Armadilha
Apesar de ser uma carne magra, é um embutido rico em sódio e aditivos químicos, como corantes, conservantes e realçadores de sabor. Logo, deve ser consumido com pouca frequênciaAlternativa
Substituir por peito de frango ou outra proteína magra, como clara de ovo

Biscoito água e sal

Foto: DivulgaçãoTorrada integral

Armadilha
Parece pouco calórico, mas no processo de produção ganha gordura hidrogenada para ficar mais crocante e saboroso. Além disso, a maioria é feita com farinha branca refinada, que tem alto valor calórico e poucos nutrientes. Uma unidade tem cerca de 30 calorias. Quatro unidades têm a mesma quantidade de calorias de um pão francês, mas quatro vezes mais gordura

Alternativa
Torradas integrais caseiras são uma boa opção, porque aumentam a saciedade. O mesmo vale para os pães integrais, que demoram mais tempo para serem digeridos, por causa das fibras, que evitam picos de glicemia no sangue

Nuggets

Armadilha
São compostos de boa parte de gordura e carboidratos, além
do glutamato monossódico, substância que aumenta a vontade de comer. Os fritos são piores porque agregam mais gordura trans

Alternativa
Consumir filés de frango ou, para suprir a quantidade de proteínas da carne, cozinhar
cerca de quatro ovos
de codorna. O preparo vai levar os mesmos cinco a dez minutos

Sopas em pacotes

Armadilha
A embalagem mostra legumes e carnes, mas a composição é rica em sódio – um envelope individual (como aquelas versões de caneca) contém entre 500mg e 800mg de sódio, ou seja, pelo menos 25% das necessidades diárias

Alternativa
Não há alternativa industrializada. Tem que ser sopa caseira

Alimentos diet

Armadilha
Não têm necessariamente menos calorias. Um bom exemplo é o chocolate diet: não tem açúcar, mas contém mais gordura que o tradicional. Muitos acreditam que, por ser diet, pode ser consumido em maior quantidade. Mas isso não deve ser feito, porque possui mais calorias

Alternativa
Deixe esse tipo de alimento apenas para quem não pode comer açúcar. No caso do chocolate, dê preferência aos que têm maior quantidade de cacau. Se você quer diminuir calorias, uma opção
são os produtos light. Eles apresentam em
sua composição uma restrição de, no mínimo, 25% em algum nutriente ou mesmo em calorias, se comparados aos produtos tradicionais

Sanduíche natural
Armadilha
A maioria dos sanduíches naturais encontrada no mercado tem seus recheio à base de maionese. Ingrediente altamente calórico, rico em gorduras, que deve ser consumido com moderação. Substituir a maionese por requeijão, mesmo que seja light, também não é uma boa opção, pois o requeijão
é uma pasta cheia de conservantes e espessantes, substâncias químicas nada saudáveis. Cuidado, principalmente, com a maionese caseira, que além de muito mais calórica que a industrializada, tem alto teor de colesterol e fica mais suscetível à contaminação pela bactéria salmonellaAlternativa
Procure fazer o sanduíche em casa. Quem não abre mão da maionese pode utilizar a light para passar no pão – sem exageros! Prefira iogurte natural, ricota ou queijo cottage, temperado com ervas e azeite. Verduras e legumes, como alface, rúcula, espinafre, tomate, cenoura e beterraba ralados adicionam fibras, vitaminas e minerais ao lanche. Queijos amarelos, salame, mortadela, peito de peru e chester podem ser substituídos por frango ou carne desfiados, carne moída ou peixe. Atum e sardinha em óleo, por conservarem os ômegas – escorra bem antes de utilizar -, também são uma boa opção

Comida japonesa

Armadilha
Uma colher de sopa de molho de soja (shoyu), de aproximadamente 10ml, tem 5Kcal, o que é pouco. Mas a quantidade de sódio é alta: cerca de 580mg. Para pessoas saudáveis, isso corresponde a 21% das necessidades diárias do mineral. Já para as pessoas que apresentam alguma doença, o valor pode representar até
40% da necessidade diária

Alternativa
O molho shoyu faz parte da culinária oriental. Para quem a aprecia e não abre mão, a palavra chave é moderação

Sobremesa láctea

Armadilha
As sobremesas lácteas são docinhas e saborosas, mas não se engane pela aparência de iogurte: elas têm bem menos quantidade de cálcio. Além disso, esses produtos são gordurosos e têm pouca proteína. Os corantes amarelos e vermelhos são os mais perigososAlternativa
Substitua por uma mistura de iogurte natural com fruta. Basta bater essa combinação no liquidificador ou amassar com um garfo. Se quiser algo mais doce, coloque açúcar mascavo. Essa preparação deve ser consumida entre 30 minutos e 1 hora.

Shakes

Armadilha
Shakes prontos têm composição duvidosa ou oculta. Vários estudos internacionais de universidades conceituadas alertam para o risco de prejuízos ao fígado

Alternativa
Uma boa opção é fazer o shake em casa. Use módulos de proteína (como o whey protein), cereais e sementes em flocos ou farinhas (quinoa, amaranto, chia, linhaça), e frutas

Fonte: nutricionistas Virgínia Dantas e Larissa Denicoli e Revista Crescer