Governo da PB está aberto ao diálogo com MST

Chefe de gabinete diz que Governo da Paraíba está aberto ao diálogo com integrantes do MST

O chefe de gabinete do governador Ricardo Coutinho (PSB), Lúcio Flávio Vasconcelos, disse que o governo da Paraíba está disposto a receber em audiência os trabalhadores sem terra, mas não nos moldes exigidos pelo movimento. De acordo com ele, uma reunião com 15 representantes “não é produtiva”. O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra ocupou o Centro Administrativo da Paraíba , em João Pessoa, na manhã desta segunda-feira (21).

A coordenação do MST afirma que só deixará o Centro Administrativo que só deixará o prédio quando o governador se comprometer em receber os 15 representantes, do movimento e de outras entidades que também lutam por moradia. “O governo está sempre aberto ao diálogo, desde a semana passada marcamos uma reunião com eles no Palácio da Redenção, esperamos, mas eles se negaram a entrar”, afirmou Lúcio Flávio.

O chefe de gabinete explicou que o governo está disposto a sentar com no máximo seis integrantes do MST . Ele disse que 15 representantes um número muito alto para a realização da audiência. “É um quantitativo muito alto, estamos falando de uma reunião de trabalho e isso não pode acontecer com 25 ou 30 pessoas”, destacou Lúcio acrescentando que vários secretários da administração também devem participar. Ele também chegou a dizer que a sala no Palácio da Redenção não comportaria a quantidade de pessoas.

De acordo com Míriam Silva, da coordenação do MST, o órgão tem uma pauta de reivindicações para apresentar ao governador Ricardo Coutinho. Segundo ela, a cobrança principal é por desapropriação de terras.

Os integrantes do MST fecharam os portões do Centro Administrativo e impediram a entrada e a saída de funcionários. Algumas pessoas tiveram que pular as grades para deixar o prédio. A polícia foi até o local e chegou a haver confronto.

Lúcio Flávio Vasconcelos disse que representantes do governo foram até o Centro Administrativo para tentar negociar com o MST a desocupação do prédio. “O que nós não quremos é o tensionamento”, destacou.

EM NOTA – MST DIZ QUE FOI AGREDIDO

O Movimento dos Sem Terra (MST) na Paraíba emitiram nota nesta segunda-feira (21) afirmando que foram recebidos pela Polícia Militar na ocupação do Centro Administrativo com balas de borracha e spray de pimenta. Confira a nota:

Seguindo com a Jornada de lutas iniciada na semana passada, 2.500 Trabalhadores Rurais Sem Terra ocuparam nessa manhã o Centro Administrativo em João Pessoa e foram recebidos pela Polícia Militar Paraibana com balas de borracha, spray de pimenta e muita violência. Os carros que transportavam a água e alimentação dos trabalhadores também foram danificados. Vários companheiros estão feridos além de mulheres e crianças que necessitam de solidariedade dos amigos e amigas do movimento na capital paraibana.

Ricardo Coutinho não nos recebeu na última quinta-feira para negociação, por isso ocupamos o centro Administrativo e não voltaremos para nossas casas enquanto não fomos atendidos em nossas demandas!

Apesar de toda a opressão, seja pelos jagunços que rondam nossos acampamentos ou pelos aparelhos opressores do Estado, nós trabalhadores e trabalhadoras rurais não desanimamos e com unidade seguiremos na luta por nossos direitos e pela reforma agrária!!!

Precisamos mais uma vez da solidariedade dos trabalhadores e lutadores do povo, dos militantes dos direito humanos e da reforma agrária para que acompanhem de perto a violência que está acontecendo nessa manhã contra os trabalhadores promovida pelo governo do Estado da Paraíba e pela PM. Chega de violência contra os Camponeses sem terra!!

Lutar! Construir Reforma Agrária Popular!!


G1PB