Governo do RN promete pagar salários de policiais até 6 de janeiro

Policiais, bombeiros e familiares protestaram em frente à sede do governo potiguarDivulgação/ACS-PM-RN

O governo do Rio Grande do Norte prometeu finalizar o pagamento dos salários de novembro dos servidores do Estado no próximo sábado (6.jan.2018). Anunciado na 4ª feira (3.jan), a medida é mais uma tentativa de pôr fim à greve de policiais no Estado.

As polícias civil, militar e o Corpo de Bombeiros estão em greve desde o dia 19 de dezembro de 2017. Funcionários das categorias pedem regularização de salários atrasados e melhores condições de trabalho. Os agentes de segurança se negam a sair dos prédios públicos e trabalham em regime de plantão.

Em nota, o governo disse que pretende realizar o pagamento dos servidores com vencimentos acima de R$ 4.000 que ainda não haviam recebido o repasse referente a novembro.

Ainda em nota, o governo afirma que está trabalhando para anunciar os pagamentos de dezembro e do 13º salário “o mais breve possível”.

NEGOCIAÇÕES

O governador do Estado, Robinson Faria (PSD), deve se reunir, nesta 5ª feira (4.jan), com representantes da Assembleia Legislativa, do Tribunal de Justiça e do MP (Ministério Público), para discutir a situação e avaliar possíveis soluções.

Os policiais civis marcaram uma assembleia para esta 5ª (4.jan) com o objetivo de discutir os rumos da mobilização e examinar eventuais propostas da administração estadual.

Já os policiais militares marcaram uma assembleia para 6ª feira (5.jan), quando esperam ter 1 retorno do Executivo estadual.

“Atualizar o salário não é determinante para a atividade policial ser retomada, (…) queremos que o governo diga quando e como vai resolver”, disse Eliabe Marques, presidente da ASSPMBMRN (Associação dos Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar do Rio Grande do Norte).

JUSTIÇA

No último domingo (31.dez.2017), o desembargador Claudio Santos, do Tribunal de Justiça do Estado, determinou que policiais civis e militares e bombeiros retornassem ao trabalho, sob pena de multa de R$ 100 mil por dia às respectivas entidades representativas.

Na decisão, o desembargador também ordenou a prisão de policiais que promovam, divulguem ou incentivem as mobilizações. Mesmo com a decisão, os policiais civis e militares decidiram manter as mobilizações.

EXÉRCITO NA REGIÃO

Enquanto impasse entre os policias e o governo não é resolvido, a segurança no Estado foi transferida para as Forças Armadas. Ao todo, 2.800 homens patrulham as cidades.

(Com informações da Agência Brasil)