Governo se omite em 31% das votações na Câmara

Governo se omite em 31% das votações na Câmara

O Governo do presidente Jair Bolsonaro tem a maior taxa de omissão no início de mandado desde a gestão do ex-presidente LulaMichel Jesus/Câmara dos Deputados

Nos primeiros 5 meses de mandato do presidente Jair Bolsonaro, o governo abriu mão de orientar o voto de seus aliados em 31% das votações realizadas na Câmara dos Deputados.

É a maior taxa de omissão no período desde o início de mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), quando tem início a série histórica dos dados. A indicação é que praticamente uma em cada 3 propostas em tramitação na Casa não era de interesse do Palácio do Planalto ou, ainda, que o líder do governo, Major Vitor Hugo (PSL-GO), preferiu não se manifestar por haver risco de derrota.

As informações foram divulgadas pelo jornal Estadão neste domingo (9.jun.2019). Os dados são do Basômetro, uma ferramenta do veículo que mede o governismo (taxa de votação de acordo com a orientação do governo) de deputados e partidos. A ferramenta registra o que aconteceu no plenário da Câmara nos últimos 16 anos: 844 mil votos dados por 1.811 deputados em 2.427 votações.

Segundo o jornal, os dados apontam também que ingerência menor do Executivo é mais 1 efeito das recentes mudanças nas relações entre os Poderes.

Na tentativa de evitar o “toma, lá, da cá”, Bolsonaro resiste a distribuir cargos entre os partidos em troca de apoio. Em consequência, o Congresso busca uma agenda própria de votações.

Considerando a taxa de governismo, desde que tomou posse, Bolsonaro teve 76% de apoio na Câmara. O dado não é muito diferente de seus antecessores. Lula teve 78% e 77%, respectivamente, nos primeiros 5 meses de seus 2 mandatos. Dilma Rousseff, logo depois de eleita pela 1ª vez, chegou a 74%, mas taxa caiu para 61% no início do 2º mandato, quando ela já enfrentava problemas de articulação com boa parte de sua base. No caso de Temer, a média da taxa de governismo na Câmara foi de 77% em seus 5 primeiros meses como presidente.

Poder360