Greve atinge parcialmente transportes no país; capitais como São Paulo e Salvador são afetadas

Greve atinge parcialmente transportes no país; capitais como São Paulo e Salvador são afetadas

São Paulo – A mobilização nacional contra a reforma da Previdência e os cortes na Educação nesta sexta-feira afetam parcialmente  os transportes em várias cidades do Brasil nesta manhã. Na Região Metropolitana de São Paulo, avenidas importantes foram bloqueadas por manifestantes que colocaram fogo em pneus.

Segundo a prefeitura e governo do estado, os ônibus municipais e os trens estão operando normalmente. Escolas públicas e bancos devem permanecer fechados, segundo os sindicatos das categorias.

No início da manhã, além de São Paulo,  segundo informações do G1, somente parte das linhas de ônibus, trem ou metrô funcionavam em capitais como João Pessoa, Curitiba, Maceió e Salvador.

No Rio, protestos bloquearam vias da cidade, mas ônibus, BRT, trens, metrô e barcas operam normalmente. A cidade teve um nó no trânsito entre 5h e 9h, mas está voltando à normalidade. Um protesto na Avenida Brasil foi dispersado por policiais militares que usaram bombas de efeitos moral contra os manifestantes.

Em São Paulo, apesar da paralisação, a prefeitura não suspendeu o rodízio municipal de veículos, então, estão proibidos de circular pelo centro carros cujas placas terminam em 9 e 0 até as 10h.

Pessoas que chegaram na manhã desta sexta-feira à estação Corinthians-Itaquera, na Zona Leste da capital paulista, encontraram as escadas bloqueadas. Funcionários do metrô fecharam o acesso às plataformas.

Somente às 7h o acesso aos trens, que operam normalmente, de acordo com a CPTM, na estação Itaquera foi liberado.

Estudantes fecham rua de Perdizes, na Zona Oeste de São Paulo Foto: Renato Andrade / Agência O Globo
Estudantes fecham rua de Perdizes, na Zona Oeste de São Paulo Foto: Renato Andrade / Agência O Globo

No centro da capital paulista, manifestantes bloquearam a Avenida 23 de Maio, que liga a Zona Norte à Zona Sul, com pneus queimados. A paralisação durou cerca de meia hora, até que a polícia liberasse a via. Na Zona Oeste, estudantes bloquearam a Rua Cardoso de Almeida, próximo ao cruzamento com a Rua Caiubi. Carregando faixas com os dizeres “Greve geral não é palanque eleitoral”, eles gritavam palavras de ordem.

Na Grande São Paulo, ônibus intermunicipais de Guarulhos não deixaram os terminais. Nas cidades do ABC paulista, no entanto, o movimento foi normal.

Outras capitais

De acordo com o G1, em Salvador, ônibus e trens não circulavam no início da manhã, mas o metrô seguia funcionando. Homens da Força Nacional entraram na plataforma do metrô para garantir a circulação de trens.

Manifestantes fecharam vias da cidade em protestos, e um coletivo chegou a ser atacado por pedras.

O site informa ainda que na Região Metropolitana de Belo Horizonte protestos afetavam a circulação do metrô e o trânsito. Na região da Pampulha, na capital mineira, uma mulher de 53 anos foi levada para o hospital após inalar fumaça proveniente do fogo em pneus.