Grupo Estado Islâmico sequestra mais de 300 trabalhadores na Síria

Grupo Estado Islâmico sequestra mais de 300 trabalhadores na Síria

palmira_siriaEnquanto EI continua ação na região de Dmeir, moradores de Palmira (foto) começam a voltar para casa

Mais de 300 empregados de uma fábrica de cimento foram sequestrados esta semana pelo grupo jihadista Estado Islâmico (EI) na Síria. Os funcionários estão desaparecidos desde segunda-feira (4).

Expulsos de Palmira e Al-Qaryatayn, o EI lançou esta semana uma ofensiva na região de Dmeir, no nordeste de Damasco, onde sequestrou mais de 300 funcionários de uma fábrica de cimento, segundo a agência oficial síria Sana. A empresa Al Badia, informou o ministério sírio da Indústria que perdeu o contato com os operários e executivos que trabalhavam na unidade.

A região de Dmeir está dividida entre as zonas controladas pelo EI, a leste, e as posições rebeldes a oeste. No entanto, o aeroporto militar e as centrais de energia elétrica permanecem sob poder do governo. É nessa zona ainda controlada pelo regime que ocorrem atualmente os confrontos mais violentos, segundo Rami Abdel Rahman, diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Moradores informaram que é possível ouvir bombardeios nas proximidades da cidade.

Moradores de Palmira voltam para casa

Apesar da ofensiva dos extremistas em Dmeir, o governo prepara o retorno dos primeiros deslocados de Palmira, que poderão voltar para casa depois que as tropas do regime reconquistaram a cidade em 27 de março. Segundo informações divulgadas pelo governo local, o primeiro grupo de ônibus com residentes deve sair no sábado

A maior parte da população que morava em Palmira antes da cidade ser capturada pelo EI fugiu quando o grupo chegou à região onde, segundo o governo, quase metade dos bairros foram destruídos. As estimativas são de que 70 mil pessoas viviam em Palmira antes da chegada do EI e que apenas 15 mil permaneceram. As autoridades desconhecem o paradeiro de vários moradores.

O grupo extremista também registrou uma derrota ao perder, nesta quinta-feira (7), o controle da principal passagem entre a Síria e a Turquia.

Noticiário Francês