Helicóptero do presidente da Bolívia, Evo Morales, faz pouso de emergência


Helicóptero do presidente da Bolívia, Evo Morales, faz pouso de emergência minutos depois de decolar de vilarejo andino, sem deixar feridos Foto: Reprodução/El Deber

LA PAZ – O helicóptero do presidente da BolíviaEvo Morales, teve “uma falha mecânica no rotor da cauda” nesta segunda-feira, 4, informou a Força Aérea Boliviana (FAB).

De acordo com o comunicado, a falha ocorreu após o helicóptero decolar de um povoado andino, forçando o piloto a realizar “um pouso de emergência” sem consequências para os passageiros.

LA PAZ – O helicóptero do presidente da BolíviaEvo Morales, teve “uma falha mecânica no rotor da cauda” nesta segunda-feira, 4, informou a Força Aérea Boliviana (FAB).

De acordo com o comunicado, a falha ocorreu após o helicóptero decolar de um povoado andino, forçando o piloto a realizar “um pouso de emergência” sem consequências para os passageiros.

ctv-qmj-helicoptero-evo
Helicóptero do presidente da Bolívia, Evo Morales, faz pouso de emergência minutos depois de decolar de vilarejo andino, sem deixar feridos Foto: Reprodução/El Deber

Morales havia acabado de inaugurar uma estrada entre as cidades de Caracollo e Colquiri, ao sul da capital La Paz, quando começou uma tempestade na região.

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram o helicóptero já em solo, rodeado por um grupo de pessoas.

O incidente ocorre em um momento delicado para a Bolívia, que há três semanas passa por protestos de manifestantes contra Morales, que o acusam de fraude eleitoral após ter saído vencedor na eleição de 20 de outubro, sendo reeleito para o seu quarto mandato consecutivo.

As manifestações, junto com a greve geral de alguns setores da sociedade, permanecem nesta segunda em diversas cidades. Em La Paz, manifestantes fazem barricadas e bloqueiam estradas.

ctv-s51-bolivia-segunda
Polícia usa gas lacrimogêneo contra manifestantes que fazem barricada contra a reeleição do presidente Evo Morales, em La Paz, Bolívia Foto: Jorge Bernal/AFP

O ex-ministro de Governo, Hugo Moldiz, chegou a escrever em sua conta no Twitter que o acidente é um “atentado criminoso” contra o presidente de esquerda, chamando para a “mobilização e luta contra o golpismo imperial e conservador”.

Os confrontos entre manifestantes anti e pró-Morales já deixaram dois mortos e 140 feridos, de acordo com a Defensoria Pública do país.

Durante o fim de semana, a principal liderança dos protestos em Santa Cruz, Luis Fernando Camacho, deu um prazo de 48 horas para que Morales renuncie, além de clamar pelo apoio das Forças Armadas para tirá-lo do poder.

O prazo se encerra na noite desta segunda. / AFP