Holanda derrota Suécia na prorrogação e vai decidir Mundial Feminino com os EUA

Holanda derrota Suécia na prorrogação e vai decidir Mundial Feminino com os EUA

Holanda

Em um jogo marcado pela alternância no poder da partida e consequentemente bastante equilibrado, a Holanda derrotou a Suécia, por 1 a 0, nesta quarta-feira, em Lyon, na França, com gol marcado no primeiro tempo da prorrogação, após empate sem gols nos 90 minutos regulamentares.

Com o resultado, as holandesas, que participaram pela segunda vez de um Mundial, vão enfrentar os Estados Unidos, domingo, às 12 horas (horário de Brasília), com transmissão ao vivo da Band. As suecas, vice campeãs em 2003, vão tentar repetir o terceiro lugar, obtido em 1991 e 2011, sábado, frente à Inglaterra.

A semifinal foi vista por 48.452 espectadores, o segundo melhor público da competição, atrás apenas de Estados Unidos x Inglaterra, que levou 53.502 torcedores na outra semifinal.

O primeiro tempo foi decepcionante, principalmente pelo lado holandês, que se limitou a ficar na marcação. A iniciativa foi toda da Suécia, que, confiante por ter eliminado a Alemanha nas quartas de final, alugou o campo ofensivo e teve as melhores oportunidades para abrir o placar.

Aos 36 minutos, a grande chance sueca no primeiro tempo. Asllani cobrou escanteio pela esquerda, Rubensson finalizou na zaga, Hurtig pegou o rebote e Van Veenendaal fez grande defesa.

O segundo tempo foi diferente. As holandesas, apoiadas pela torcida francesa, partiram para o ataque, mas também abriram espaço na defesa. Com isso, o jogo foi repleto de emoções. Aos dez minutos, Eriksson cobrou escanteio e Van Veenendaal afastou de soco. No rebote, Fischer dominou, bateu cruzado e acertou a trave holandesa.

Aos 18, a resposta da Holanda, também em uma jogada de escanteio. Miedema nem precisou saltar para cabecear. Lindahl deu um toque sutil na bola, que explodiu no travessão.

Nos minutos finais do tempo normal, a Suécia ficou mais perto da vaga, por intermédio da força das atacantes Blackstenius e Jakobsson, além da habilidade e velocidade de Asllani. Do lado holandês, Miedema brigou com toda a zaga adversária.

Aos 42, Eriksson teve a chance em cobrança de falta, mas errou o alvo por pouco. Apesar de não merecer, a Holanda quase conseguiu a vitória nos 90 minutos, quando Van De Sanden bateu cruzado para boa defesa de Lindahl.

A Holanda veio com outra postura na prorrogação, ao pressionar a adversária em seu campo e concentrar as jogadas pelo lado direito com Van De Sanden. Aos 9, em jogada rápida, Groenen bateu seco de fora da área e abriu o placar: 1 a 0.

No segundo tempo do tempo extra, o comando do jogo voltou a ser da Suécia, mas o cansaço e o nervosismo foram componentes negativos para o time que precisava buscar a igualdade no placar. A Holanda poderia ter ampliado a vantagem, mas Van De Sanden voltou a falhar nas finalizações.

No último lance do jogo, a sueca Asllani sofreu uma pancada no queixo, foi atendida por cinco minutos e saiu do gramado imobilizada e de maca.

A Holanda conseguiu a vaga inédita na final do Mundial, mas vai precisar jogar muito para equilibrar a decisão diante da favorita equipe norte-americana.

Band