Homem sequestra ônibus em Copacabana e faz uma pessoa refém

homem sequestrou onibus rioRio – Uma passageira de um ônibus da linha 125 (Central – General Osório) foi feita refém durante um assalto na Rua Hilário de Gouveia, esquina com Avenida Nossa Senhora de Copacabana, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, na manhã deste domingo. O bandido com cerca de 30 anos que ainda não foi identificado se entregou depois da chegada de homens do 19ºBPM (Copacabana). O acusado foi encaminhado para a 12ªDP (Copacabana).

Havia cerca de 15 pessoas dentro do veículo, e antes de o motorista sair da rota e diminuir a velocidade, o acusado deixou cerca de 10 passageiros irem embora, segundo informou a delegada Thaiane Moraes, que ressaltou que ele não estava armado e estava sob efeito de drogas. “Em momento algum ele ameaçou matar ninguém, ele só queria que chamassem a imprensa”, concluiu ela.

De acordo com o motorista do veículo, o homem entrou seis pontos depois da Praça do Lido, por volta das 10h deste domingo. O acusado pegou uma passageira, levou para o banco de trás, colocou a mulher em seu colo e pediu para que chamassem a imprensa. “Ele só queria aparecer”, disse Edson Pacheco de Souza, de 58 anos.

A técnica de enfermagem Leila Lima, de 26 anos, que foi feita refém, estava voltando do trabalho. Ela estava muito nervosa e lembrou do ocorrido com o ônibus 174, que faz 15 anos no próximo dia 12. “Achei que não fosse sair viva dessa situação, igual no dia daquele sequestro do ônibus no Jardim Botânico”. Segundo depoimento da vítima, em momento nenhum ele fez menção de matar alguém. Ele só queria a presença da imprensa mesmo.

Um passageiro que estava ao lado de Leila contou a reação da mulher: “A moça ficou desesperada. Ele envolveu ela pelos braços, levou ela para o banco de trás e colocou ela no colo. Não anunciou o assalto e disse que não ia fazer nada com ninguém, apenas queria que a imprensa fosse chamada. Normal ele não estava”, disse João Carlos da Silva, que voltava para a casa quando foi surpreendido pelo assalto.

As pessoas que estavam presentes não sabiam se o acusado estava armado, pois ele estava com a mão dentro da camisa. O motorista apenas diminuiu a velocidade do veículo, quando percebeu o ocorrido e acabou saindo da rota e parando na rua Hilário de Gouveia.

O acusado vai responder pelos crimes de cárcere privado e por impedir a circulação de transporte público. Ele poderá ser liberado se pagar fiança, que ainda será calculada. Se for condenado, o acusado pode pegar até 5 anos de prisão.

O Dia