Intervenção no PSB de Sapé: Cida reage a acusação de prefeito e diz que não é mulher de ‘mandar recado’

A deputada estadual Cida Ramos, do PSB, reagiu, nesta quarta-feira (30), as acusações do prefeito de Sapé, Roberto Feliciano (PSB), sobre ela ser a responsável pela intervenção no Diretório Municipal da sigla, na cidade e tachou o prefeito de desinformado.

Natural da cidade, Cida admitiu que tinha uma opinião que corroborava com a necessidade de revitalização do diretório, no entanto, ressaltou que ela não integra a executiva estadual e, portanto, não cabia a ela o poder de decisão;

“Ou é Fake News ou é desinformação do prefeito. Eu sequer sou da executiva estadual. O diretório tem suas regras, suas deliberações, que são tomadas coletivamente. Se o prefeito se sentiu insatisfeito, por que é que ele não procurou a executiva? Eu tenho muito o que fazer. Nessa Casa eu coordeno uma CPI, uma Comissão, Duas Frentes Parlamentares, sou vice-presidente de outra comissão, então eu não paro. Estou em reuniões o tempo inteiro, então eu não tenho tempo de estar com futrica, com intriga. Eu tenho muitos defeitos, mas também tenho muitas qualidades, dentre as quais é fazer as coisas diretamente. Eu não mando recado para ninguém”, avisou.

De acordo com Cida, ela sequer sabia que o prefeito Roberto era quem presidia a sigla na cidade de Sapé. “O prefeito, se ele era presidente, não sei, ele tinha que procurar a direção estadual e ter conversado, diante de toda essas renovações. Também não sei se ele procurou”, emendou.

Sobre a debandada do partido, do prefeito e de outros três vereadores, após a intervenção, Cida evitou polemizar. “Deixar ou não uma sigla é uma deliberação individual, não posso falar por ninguém”, arrematou.

ENTENDA

Ontem, em entrevista, o prefeito Roberto Feliciano citou nominalmente a deputada estadual Cida Ramos como sendo a responsável pela intervenção no diretório municipal de Sapé. Ele ainda disse que foi pego de surpresa com a informação e se disse vítima de uma retaliação interna capitaneada pela parlamentar.

Feliciano disse ainda que em nenhum momento foi contactado pela Comissão Interventora do PSB, designada pela direção nacional, antes da dissolução e que, por isso, não permanecerá mais filiado ao partido.

“Se fui destituído dessa forma, é porque não me querem no partido”, cravou.

Com informações de Eliabe Castor

PB Agora