Irã diz que pode enriquecer urânio a 60% e abandonar Tratado TNP

Autoridade iraniana afirma que país pode enriquecer urânio a 60%, enquanto embaixador persa em Londres diz que Irã pode sair do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP).

Embora as autoridades iranianas afirmem não pretender desenvolver armas nucleares, o país tem enfatizado seu progresso no uso da energia atômica.

Diante disto, ontem (9), o porta-voz da Organização de Energia Atômica do Irã (AEOI), Behrouz Kamalvandi, ressaltou a mais nova capacidade de enriquecimento de urânio de Teerã.

“A organização tem a possibilidade de produzir [urânio enriquecido a] 5%, 20% e 60%”, publicou a fala de Kamalvandi a agência Reuters.

Apesar de poder atingir 60%, Kamalvandi ressaltou que seu país só precisa de urânio enriquecido a 5%.

Além disso, segundo a autoridade iraniana, o país já possui em plena atividade mais de mil centrífugas em suas instalações nucleares.

“O Irã deu o quarto passo na redução de seus compromissos com o acordo nuclear, tendo 1.044 centrífugas sido injetadas com gás [de urânio]”, disse Behrouz Kamalvandi.

Saindo do TNP

Por sua vez, o embaixador do Irã no Reino Unido, Hamid Baidineyad, disse que seu país pode vir a abandonar o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), assinado em 1968.

“Se acabarem as medidas para reduzir os compromissos do acordo nuclear JCPOA, possivelmente o Irã, como muitos países esperam, buscará sair do TNP”, publicou a agência de notícias persa IRIB.

Atualmente o país vem recuando nos compromissos do acordo nuclear JCPOA assinado com os Estados Unidos, China, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha em 2015, desde a saída unilateral de Washington do acordo.

Por sua vez, o TNP é um acordo assinado ainda em 1968, por diversos países, que visa frear a proliferação de armas nucleares no mundo.

Sputnik