Irmãos metralha: PC desmonta perigoso esquema de falsificação de documentos em CG - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Irmãos metralha: PC desmonta perigoso esquema de falsificação de documentos em CG

presos docApós minucioso trabalho investigativo, policiais da Delegacia Especializada de Defraudações e Falsificações de Campina Grande conseguiram desmontar um esquema criminoso baseado em falsificações de documentos e celebrações de contratos que culminavam com fraudes processuais, inclusive levando a erro do Poder Judiciário. Já se encontra preso José Leonildo Maciel, que se passava por advogado para aplicar os golpes, já se encontra preso, enquanto que o irmão, José Lucenildo Maciel está foragido.

A operação, denominada de “Irmãos Metralhas” teve início a partir dos fatos narrados no em ofício encaminhado pelo diretor da Penitenciária Regional ‘Raymundo Asfora’, de Campina Grande, informando que no dia 23 de janeiro deste ano, um indivíduo esteve naquele estabelecimento prisional e, se passando por um advogado, conseguiu entrar em suas dependências a fim de pegar uma certidão carcerária do apenado Rumenigge de Melo Costa, inclusive, assinando o livro de registros de entrada, usando o nome do advogado Gustavo Quedes Targino. Ele saiu da casa carcerária de posse da referida certidão, destinada a instrução do processo de progressão de regime do referido apenado.

Segundo o delegado da 10ª Seccional de Campina Grande, Iasley Almeida, em diversas outras oportunidades, Leonildo, também conhecido por ‘Leo’, também se atribuiu falsa identidade ou utilizou documento falso, mesmo quando não havia a intenção de praticar outro crime, a exemplo de duas oportunidades em que esteve na Delegacia, sendo uma delas quando  sua família foi vítima de uma ação de despejo ajuizada com base em documentos falsos. Em depoimento, ‘Leo’  se apresentou como Leomar Rodrigo Maciel.

Neste caso, segundo a autoridade policial, ele utilizou uma identidade falsa, pela simples contumácia, pois não havia interesse na prática de qualquer outra conduta delituosa. Primeiro, usando documentos pessoais falsos em nome de Symon Alves de Araújo, Leonildo Maciel firmou contratos fraudulentos com as empresas Vivo, Telefonia Celular, Embratel Telefonia, e dos bancos Itaú, Bradesco, Santander e Banco do Brasil.

A contraprestação dos contratos era inadimplida pelo próprio Leo, que, indignado com “inclusão indevida” de seu nome nos órgãos de restrição ao crédito, ajuizava ações de indenização em desfavor das empresas contratadas, alegando constrangimento por ter recebido a negativa de abertura de conta no Banco do Brasil, em razão da suposta negativação indevida.

De posse de toda a documentação falsa, os estelionatários ajuizaram as ações a fim de obter ilicitamente as indenizações por danos morais, logrando êxito em algumas, a exemplo das demandas em face do Banco Bradesco, da empresa Embratel e do Banco Itaú, nas quais foram firmados acordos nos valores de R$ 5.000,00; 3.000,00 e 3.000,00, respectivamente, resultando no valor de R$ 11.000,00.

O delegado Iasley Almeida destacou o trabalho investigativo dos policiais, que, numa ação inteligente conseguiram desmontar o esquema criminoso, baseado em falsificações de documentos e celebração de contratos que culminaram com fraudes processuais que levaram o Poder Judiciário a erro.

“Mais uma vez, pedimos a colaboração da população, para que possamos capturar o falsário Leonildo Maciel. Quem souber do paradeiro dele, pode ligar para o 197, que terá assegurado o sigilo e estará prestando um grande serviço à Polícia e à sociedade”, disse o delegado.

Assessoria