Benjamin Netanyahu, advertiu que seu país se oporá a todo julgamento contra seus soldados

Israel não permitirá que seus soldados sejam levados ao TPI, diz Netanyahu

NetanyahunO primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, advertiu neste domingo (4) que seu país se oporá a todo julgamento contra seus soldados no Tribunal Penal Internacional (TPI). Na sexta-feira, a Autoridade Palestina solicitou sua adesão a essa Corte para processar israelenses por crimes de guerra cometidos em seus territórios.

 “Não permitiremos que os soldados e os oficiais do Tsahal (exército israelense) sejam levados ao tribunal de Haia”, declarou Netanyahu no conselho de ministros semanal.

No sábado, Israel reagiu à ofensiva diplomática dos palestinos suspendendo o pagamento de 106 milhões de euros (cerca de 340 milhões de reais) de impostos arrecadados à Autoridade Palestina.

“Quem deve ser julgado são os dirigentes da Autoridade Palestina que se aliaram com os criminosos de guerra do Hamas”, disse o primeiro-ministro, que acusa o movimento islamita de ter usado moradores de Gaza como escudos humanos durante a última guerra na Faixa de Gaza, entre julho e agosto passados.

“Os soldados do Tsahal continuarão defendendo o Estado de Israel com valentia e determinação, e da mesma forma que nos protegem, os protegeremos”, prometeu.

A suspensão da entrega dos 106 milhões de euros pode ser a primeira de uma série de medidas de represália dos israelenses após o pedido de adesão dos palestinos ao TPI.

O tribunal, criado em 2002, tem poder para investigar crimes de guerra, genocídios e crimes contra a humanidade cometidos a partir desse ano.

 RFI