João Pessoa 10/12/2018

Início » Destaque » Já imaginou um Big Brother no Palácio do Planalto?, escreve Mario Rosa

Já imaginou um Big Brother no Palácio do Planalto?, escreve Mario Rosa

Gabinete presidencial seria 1 estúdio - Bolsonaro não é da era dos palanques - Leia artigo de Mario Rosa

Palácio do Planalto pode virar uma espécie de reality showReprodução/TV Globo

A única coisa que se pode dizer com absoluta certeza sobre o fenômeno que levou Jair Messias Bolsonaro ao ápice do poder é que sua força desafia a sabedoria convencional. Bolsonaro foi destruindo, 1 a 1, os axiomas arraigados por uma visão sobre o que costumava ser –até ele– previsível e imprevisível na política, viável e inviável, eficaz ou não, fugaz ou inevitável.

Por isso tudo, é preciso entender que ninguém reinventa a história todos os dias, é verdade. Mas Bolsonaro não está aí para cumprir protocolos da previsibilidade dos cálculos da velha política. Dito isso, você me pergunta: onde você quer chegar com esse blá blá blá todo? Simples: é preciso imaginar que as reações de Bolsonaro podem vir de fora da caixinha da política. E o fora da caixinha, agora, tem de estar dentro da caixinha de quem pensa política.

Vamos a 1 exemplo absolutamente extremo, hipotético, completamente imaginário. Baseado no fato –fato!– de que 1 ex-presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, mandou gravar todas as suas conversas no gabinete presidencial, e isso lá pelos idos dos anos 1970, imagine o que é possível fazer hoje?

O gabinete presidencial, em tese, poderia se converter num sofisticado estúdio do Big Brother, com câmeras sofisticadissimas e microfones em todos os lugares, captando ângulos e sons com a mais perfeita qualidade. Imagine que esse “estúdio” pudesse ser replicado para o gabinete do articulador político do governo. Continuemos nesse enredo ficcional.

Imaginemos, então, que o governo começasse a ter sua pauta de votações prejudicada por 1 parlamento acostumado aos mimos da velha política e, de outro lado, 1 governo firme em cessar esses vícios e praticando políticas públicas sem as desgastadas artimanhas do toma-lá-dá-cá.

Imaginemos, por fim, que nos “particulares” das conversas seja no gabinete presidencial, seja no do articulador político, hordas de parlamentares –incitados ou não– desfiassem seus pedidos mais fisiológicos e de alguma forma condicionassem sua inapetência para apoiar as pautas a favor do país ao não atendimento de pequenas nomeações, liberações de verbas, lobbies para esta ou aquela empresa.

No mundo dentro da caixinha da velha política, esses convescotes iriam evaporar no ambiente e se dissipariam na atmosfera. Nunca mais existiria sobra deles.

Mas fora da caixinha, que agora faz parte da caixinha, em algum momento hipotético, 1 governo sucessivamente melindrado por um Congresso que lhe impedisse de por em prática os justos projetos que entendesse fundamentais para dar letra de lei à vontade popular que o elegeu poderia, por que não, tornar público todo o acervo de conversas das entranhas do poder, de como se dão as abordagens ao núcleo do governo e explicar à nação que o único motivo da agenda legislativa não avançar seria a coerência de um governo que não baixaria a guarda em relação à promiscuidade e ao atraso.

Seriam horas e horas de parlamentares entrando e saindo do gabinete presidencial ou do gabinete do principal ministro palaciano e falando as coisas mais degradantes. Pensemos ainda mais fora da caixinha: que tal dispositivo fosse instalado naqueles gabinetes onde tradicionalmente o fisiologismo é assunto corriqueiro, Ministério da Saúde, órgãos de 2º escalão.

Vamos supor até que esse ou aquele ocupante de função do governo fosse para o Congresso com microfones pelo corpo para captar em “operações coordenadas” a fraude de nossa democracia?

A opinião pública ficaria com asco e o estômago revirado. O governo sairia de herói. Poderia pedir até uma eleição parlamentar excepcional, via plebiscito, para “fazer uma faxina” no parlamento e “libertar o Brasil”.

Parece improvável? Deve ser. Assim como era imaginar uma presidência Bolsonaro para muitos há alguns anos. Conclusão: a caixinha agora é pensar fora da caixinha.

Senhoras e senhores parlamentares, mais do que nunca, em qualquer interação com o próximo governo, nunca, nunca, jamais se esqueçam: sejam absolutamente republicanos. Bolsonaro não é da era dos palanques: é um grande mobilizador digital. Falem com ele ou com qualquer pessoa do governo como estivessem num telejornal: o que for dito ali é algo que você nunca pode se envergonhar depois. Fica a dica.

Poder360