Janot pede prisão de Joesley, Ricardo Saud e ex-procurador Marcelo Miller

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu, no fim da noite de sexta-feira (8), ao Supremo Tribunal Federal (STF), a prisão do empresário Joesley Batista, do ex-executivo da J&F Ricardo Saud e do ex-procurador da República Marcelo Miller.

A prisão foi solicitada ao ministro Edson Fachin, relator das investigações da J&F, após o procurador concluir que os colaboradores esconderam do Ministério Público fatos criminosos que deveriam ter sido contados nos depoimentos.

A conclusão de que os delatores omitiram informações passou a ser investigada pela PGR na segunda-feira (4) a partir de gravações entregues pelos próprios delatores como forma de complementação do acordo, firmado também com Ricardo Saud, ex-executivo da empresa, e Francisco e Assis e Silva, advogado do grupo empresarial.

A PGR também suspeita que o ex-procurador da República Marcelo Miller atuou como “agente duplo” durante o processo de delação. Ele estava na procuradoria no período das negociações e deixou o cargo para atuar em um escritório de advocacia em favor da J&F.

Em uma das conversas, Joesley e Saud afirmam que atuariam para usar o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo com objetivo de atingir ministros da Suprema Corte. A ideia era gravar uma conversa com Cardozo na tentativa de identificar os ministros sobre os quais ele poderia ter influência. “Depois vamos botar tudo na conta do Zé”, diz Joesley no áudio divulgado pelo STF.

O empresário Joesley Batista e o executivo Ricardo Saud, do grupo empresarial J&F, colocaram seus passaportes à disposição da Justiça, segundo informações da defesa. Eles pediram também para serem ouvidos antes de o ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), decidir.

Jornal do Brasil