Jean Wyllys é condenado a pagar R$ 40 mil por post contra militantes

jean queima roscaDeputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) discursa durante sessão que discute o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no plenário da Câmara, em Brasília (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) foi condenado pela Justiça do Distrito Federal a pagar uma indenização por danos morais de R$ 40 mil por uma publicação feita em rede social no ano passado. A imagem foi considerada ofensiva pelos desembargadores da 5ª Turma Cível, que atenderam ao pedido da administradora do grupo Revoltados Online, Beatris Kicis, e determinaram a retirada da publicação. Cabe recurso.

O G1 entrou em contato com o gabinete do deputado, que está em viagem ao Uruguai como membro do Parlamento do Mercosul e só retorna no fim desta terça. Em nota, o parlamentar informou que vai recorrer e disse que a decisão contraria entendimentos do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Ainda segundo a nota, o grupo político de Beatriz “se dedica sistematicamente a difamar e caluniar o deputado Jean Wyllys e outros representantes da esquerda e lutadores pelos direitos humanos”. O G1 pediu para falar com o deputado por telefone e conversou com a advogada que o representa na ação, mas não recebeu retorno.

Em julho de 2015, a página oficial de Jean Wyllys no Facebook publicou montagem com uma foto de representantes de movimentos pró-impeachment no gabinete do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, com indicadores erguidos. O registro é de maio do mesmo ano, quando os grupos protocolaram um pedido de impedimento de Dilma Rousseff na Câmara.

Sobre a imagem, foi escrito “Levanta a mão quem quer receber uma fatia dos 5 milhões”, em referência aos US$ 5 milhões supostamente recebidos por Cunha como propina em contratos de aluguel de navios-sonda da Petrobras. “E agora? Será que os pretensos guerreiros contra a corrupção repudiarão sua selfie mais famosa?”, diz a publicação.

Até as 16h desta terça-feira (24), a postagem continuava no ar e ultrapassava 20 mil curtidas, 960 comentários e 6,4 mil compartilhamentos. A decisão da Justiça foi publicada na noite de segunda (23) e prevê multa adicional de R$ 500 por dia em que a postagem permanecer visível.

Além de integrante do Revoltados Online, Beatriz era procuradora do Ministério Público do DF na época da postagem – ela está aposentada desde janeiro. Em entrevista ao G1, ela afirmou que a decisão “abre importante precedente” porque estabelece limites para a imunidade parlamentar em casos que envolvem liberdade expressão.

Bonecos levados pelo grupo Revoltados Online para passeata na Avenida Paulista (Foto: Isabela Leite/G1)Em dezembro, grupo Revoltados Online levou bonecos de Lula e Dilma para passeata na Avenida Paulista (Foto: Isabela Leite/G1)

“O pessoal levantou o dedo na foto fazendo o ‘i de impeachment’, e ele publicou aquilo dizendo que tínhamos interesse em dinheiro. Foi muito grosseiro e debochado, tratando a gente como criminoso. A imunidade diz respeito apenas à função dele, não a esse tipo de mensagem”, diz.

Beatriz diz que já foi hostilizada por outros deputados contrários ao impeachment de Dilma, em reuniões oficiais da Câmara. “Quando eu participei da CPI [dos Crimes Cibernéticos], o Jean me convocou e não foi à sessão, foi para o Facebook me chamar de criminosa. A deputada Alice Portugal [PCdoB-BA] estava lá, me ofendeu lá, mas naquele momento ela tinha imunidade. Por isso, estou processando ele por isso, e não ela.”

Em nota, Jean Wyllys nega que a manifestação aconteça “fora do mandato parlamentar” e diz que a publicação era endereçada especificamente a Cunha. “Se a senhora Kicis estava na foto com ele, a culpa não é do deputado Jean Wyllys”, diz o texto.

A publicação não teve o condão de ofender a reputação da autora, que apenas figurou como parte do cenário da postagem, não sendo sequer o alvo direto das críticas. Até porque, por não ser figura pública, não tendo qualquer poder de influência política, não poderia ser destinatária da suposta verba paga a título de propina”
Trecho de decisão anterior sobre o caso, que depois foi reformada por turma do TJ

Justiça
Em fevereiro, a juíza substituta da 6ª Vara Cível de Brasília Maria Augusta de Albuquerque Melo Diniz rejeitou o pedido de indenização de Beatriz em primeira instância. Para ela, a postagem de Jean Wyllys era endereçada ao “adversário político” Eduardo Cunha e, por isso, protegida pela imunidade do cargo parlamentar.

“A publicação não teve o condão de ofender a reputação da autora, que apenas figurou como parte do cenário da postagem, não sendo sequer o alvo direto das críticas. Até porque, por não ser figura pública, não tendo qualquer poder de influência política, não poderia ser destinatária da suposta verba paga a título de propina”, diz o voto original.

Com o recurso, a sentença foi reformada por unanimidade pelos três desembargadores da 5ª Turma Cível. No voto, o relator Josapha Francisco dos Santos diz que ofensas “dirigidas a
terceiros que não são congressistas e que não estão comprovadamente envolvidos
em esquemas de corrupção” não podem ser protegidas pela imunidade.

Na visão dos magistrados, Beatriz e os outros manifestantes que aparecem na imagem são “[estranhos] à discussão política, não sendo, portanto, opinião proferida com o objetivo de desempenhar livremente o seu ofício – verdadeira finalidade da imunidade material”.

‘Perseguição’
O deputado, por meio de sua assessoria, e a procuradora aposentada afirmaram ao G1 que são vítimas de “perseguição” do outro lado. Segundo ambos, a discórdia ultrapassa o entendimento diferente em relação a o processo de impeachment de Dilma.

Jean Wyllys protocolou uma representação criminal na Polícia Federal por suposta ameaça virtual feita pelos grupos Revoltados Online e Movimento Brasil Livre, e uma notícia-crime no Ministério Público Federal contra “Revoltados” e Beatriz por difamação na internet em uma postagem que associava o deputado à prática de pedofilia.

Beatriz move um segundo processo contra o parlamentar por postagens em redes sociais e costuma discursar contra projetos e ideias do deputado em textos e vídeos divulgados na internet. Segundo ela, o parlamentar promove a “ideologia de gênero” em projetos de lei e discursos apresentados na Câmara, tema que, segundo ela, deve ser combatido.

G1