João Azevedo revela que impeachment de Dilma foi decisivo para sua desistência em 2016: ‘retaliação’

O secretário de infra-estrutura da Paraíba e pré-candidato do PSB para as eleições de 2018, João Azevedo, relembrou a retirada da sua candidatura na última corrida eleitoral, em 2016. De acordo com ele, a conjectura nacional o impediu de continuar como um elegível ao cargo de prefeito de João Pessoa.

“Naquele momento, vimos que o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT) era iminente, todos os estudos apontavam para isso. Com isso, o partido fez uma leitura e decidiu que era melhor eu não me candidatar e isso é uma definição de partido”, afirmou.

Durante entrevista ao Sistema Arapuan, Azevedo contou que já havia a previsão de que quando Michel Temer (PMDB) assumisse, iria retaliar aqueles que foram contra a queda da petista, como fez o governador Ricardo Coutinho (PSB).

“Houve um entendimento de que o estado entraria num processo pelas posições coerentes de Ricardo. Caso houvesse o impeachment, sabíamos que sofreríamos retaliações, o que foi comprovado e se tornou realidade em seguida”, arrematou.

Yves Feitosa