Julian chama Eduardo de incompetente e admite que existiu indústria de robôs e fakes

“Não vou me trocar com uma criança. Ele fez um meme comigo no vaso sanitário. Isso é postura de um filho de presidente? eu não sou apenas um aliado. Eu sou governo e amigo do pai dele. É um descontrole emocional”. A frase foi dita pelo deputado federal Julian Lemos, retirado hoje de uma das vice-lideranças do PSL na Câmara depois que Eduardo Bolsonaro assumiu a liderança, com a renúncia do Delegado Waldir. “Alguém transformar amigos e aliados em inimigos em grande escala é inédito!

Ele tinha minha admiração, mas disse que eu queria me tornar líder. Não. Eu já estava conversando com o pai dele e ele não sabia. Líder de que? de uma bomba chiando como essa? Se eu fosse filho de um presidente com mais de 1 milhão e 800 mil votos, eu precisaria que meu pai ligasse para ninguém para me tornar líder? É muita incompetência política! Precisou o presidente ligar para os deputados, submeter um presidente a isso?”, indagou o paraibano, afirmando que Eduardo ao invés de agir para pacificar o partido decidiu “cortar a cabeça dos vice-líderes”.

Lemos participou do programa “Os pontos nos is” da Rádio Jovem Pan e disse ter ouvido de Jair Bolsonaro que ele não tem controle sobre os próprios filhos. Ele disse ter sentido o primeiro sinal de estranhamento com Eduardo, Carlos e Flávio durante o processo de transição: “Eu fui escolhido líder do Governo, mas Eduardo não permitiu. Eu comecei a ser atacado e estou falando de fatos. Eduardo chegava a se referir aos deputados do PSL como favelados, paus de arara… e os deputados federais que assinaram a lista de Eduardo não recebiam nem um bom dia. Muitos eram tratados como a terceira pessoa depois de ninguém”.

O deputado paraibano explicou que restringiu os comentários de seu Instagram porque estaria sendo atacado sistematicamente por robôs orientados por seus desafetos. “Há poucos dias fui procurado por uma pessoa oferecendo algo parecido com o que está sendo feito comigo. São 40 mil fakes em um mês que podem atacar qualquer um. Agora, tem outra ferramenta que produz centenas de comentários padrão para arrasar com sua reputação. São pessoas algumas bem intencionadas e apaixonadas politicamente que atacam quem eles não gostam.

Mas, eu recebi um áudio de um rapaz que foi cooptado pelo Tércio, que é da minha cidade, e ele cooptava pessoas para atacar qualquer um. Eu sei disso e posso provar. Isso é pior do que o PT. Porque eles atacam até os amigos. Estou sendo vítima disso e no momento oportuno eu vou mostrar”.

ParlamentoPB