João Pessoa 10/12/2018

Início » Câmara em foco » Justiça suspende eleição de Geusa Ribeiro como presidente da Câmara de Cabedelo

Justiça suspende eleição de Geusa Ribeiro como presidente da Câmara de Cabedelo

“Pura maldade, puro golpe... Assim é o entendimento e foi dado o deferimento. Eleição não cabe num Projeto de Resolução, tinha que ter pelo menos a assinatura de um vereador", disse Evilásio.

Justiça suspende eleição de Geusa Ribeiro como presidente da Câmara de Cabedelo (Foto: Divulgação/Assessoria)

A juíza Teresa Cristina de Lyra Pereira Veloso anulou a eleição de Geusa Ribeiro e do restante da Mesa Diretora eleita na semana passada para o biênio 2019-2020. A ação é resultado da contestação foi feita por um grupo de nove vereadores da Câmara de Cabedelo, entre eles Evilásio Cavalcanti, José Pereira, Benone Bernardo, Divino Felizardo, Jonas Pequeno, Graça Rezende, Socorro Gomes, Valdi Tartaruga e Reinaldo Lima.

Os parlamentares dizem que a eleição que foi incluída na pauta da sessão da terça-feira (27), onde foi apresentado um Projeto de Resolução do vereador José Eudes que juntava o afastamento definitivo de investigados na Xeque-Mate e a mudança na Mesa Diretora. Os nove vereadores alegam que o projeto não foi lido e distribuído entre eles.

A juíza, na decisão, argumenta que os vereadores concordaram com o ato de n° 40, que afastou os investigados na Xeque-Mate, mas não sabiam do ato de n° 41 que mudava a composição da Mesa Diretora. “Nesse contexto, extrai-se a verossimilhança das alegações iniciais, ao dizer que em bloco estavam apenas referendando o Ato do Presidente de n. 40, o qual se restringiu a afastar os Vereadores, já que a eleição de nova Mesa foi tratada no Ato da Presidência de n. 41, como visto dos autos”, disse ela.

“Pura maldade, puro golpe… Assim é o entendimento e foi dado o deferimento. Eleição não cabe num Projeto de Resolução, tinha que ter pelo menos a assinatura de um vereador. Não foi nada comunicado aos vereadores (sobre a eleição), mostrando de fato que houve um golpe”, disse o vereador Evilásio Cavalcanti ao ClickPB.

ClickPB