Lava Jato: 64ª fase mira André Esteves, do BTG, e Graça Foster, da Petrobras

Lava Jato: 64ª fase mira André Esteves, do BTG, e Graça Foster, da Petrobras

A ex-presidente da Petrobras Maria das Graças Silva Foster depõe na Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara que investiga a estatal ( Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Policiais federais cumprem 12 mandados de busca e apreensão no Rio e em SPR

PF (Polícia Federal) deflagrou nesta 6ª feira (23.ago.2019) a 64ª fase da Lava Jato, batizada de Pentiti. A ação é baseada no acordo de delação premiada feito entre o ex-ministro Antônio Palocci e a PF.

Entre os alvos estão a ex-presidente da Petrobras Graça Foster e o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual. Ao todo, são cumpridos 12 mandados de busca e apreensão em São Paulo e no Rio de Janeiro.

André Esteves é 1 dos homens mais ricos do Brasil, segundo a Forbes. A foto mostra ele após ser preso em novembro de 2015. O banqueiro foi solto pelo STF em abril de 2016Fernando Frazão/ Agência Brasil – 27.nov.2015

A ex-presidente da Petrobras Graça Foster durante depoimento em CPI da Câmara que investigava irregularidades na Estatal. Foster presidiu a empresa de 2012 a 2015, durante o governo DilmaMarcelo Camargo/Agência Brasil

É a 2ª vez que a operação Lava Jato faz busca e apreensão nesta semana. As ações têm como base uma planilha da empreiteira Odebrecht denominada “Programa Especial Italiano”. A PF busca identificar os beneficiários da planilha e do modus operandi de entregas de valores ilícitos a autoridades.

Também quer esclarecer supostos atos de corrupção envolvendo a venda pela Petrobras ao BTG de ativos na África. Segundo o MPF (Ministério Público Federal), foi identificado indícios de que ativos foram comercializados em “valor substancialmente inferior àquele que havia sido avaliado por instituições financeiras de renome no início do processo de venda”.

“O preço desses ativos havia sido avaliado entre US$ 5,6 bilhões e US$ 8,4 bilhões. Ao final do processo, 50% desses ativos foram vendidos por US$ 1,5 bilhão em 2013”, afirma.

As investigações apontam que o negócio pode ter lesado os cofres públicos em pelo menos US$ 1,5 bilhão (aproximadamente R$ 6 bilhões).

O MPF afirma ainda que esse procedimento de venda foi permeado por diversos indícios de irregularidades, como:

  • a possível restrição de concorrência, de forma a favorecer o BTG Pactual;
  • o acesso pelo banco a informações sigilosas;
  • a aprovação da venda pela diretoria executiva em 1 dia e do conselho de administração no dia seguinte, sem que tenha havido tempo suficiente para discussão ampla de operação de valor tão elevado.

ANDRÉ ESTEVES E MANTEGA

De acordo com o MPF, também é apurado 1 relato feito por Palocci de que André Esteves, no final da campanha eleitoral de 2010, teria acertado com Guido Mantega (ex-ministro da Fazendo no governo Dilma) o repasse de R$ 15 milhões para garantir privilégios ao BTG Pactual no projeto das sondas do pré-sal da Petrobras.

Segundo a delação, parte desse valor teria sido entregue em espécie a Branislav Kontic, ex-assessor de Palocci, na sede do Banco.

“Apura-se, ainda, informações contidas em e-mails de Marcelo Odebrecht e prestadas por Palocci no sentido de que a ex-presidente da Petrobras Graça Foster teria conhecimento do esquema de corrupção existente à época na estatal, mas não teria adotado medidas efetivas para apurar tal esquema ou impedir a continuidade do seu funcionamento”, diz o MPF.

DALLAGNOL OPINA

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, disse que e “esta é mais uma investigação sobre possíveis crimes que têm relação com instituições financeiras. Já houve denúncias apontando crimes relacionados a funcionários do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Banco Paulista e corretoras. A força-tarefa de procuradores e a polícia federal têm explorado todas as linhas investigativas em sua esfera de atribuição”. 

A declaração foi feita 1 dia depois de o jornal El País divulgar uma reportagem da série Vaza Jato mostrando que a força-tarefa preferiu buscar acordos com empreiteiras em vez de investigar acusações contra instituições financeiras.

OPERAÇÃO PENTITI

Segundo a PF, nome da operação significa “arrependidos” e faz referência a termo empregado na Itália para designar pessoas que integraram organizações criminosas e, após suas prisões, decidiram se arrepender e colaborar com as autoridades para o avanço das investigações.

OUTRO LADO

Poder360 tenta contato com os citados na operação. Eis abaixo:

  • Banco BTG Pactual –  “Com relação à operação da Polícia Federal realizada nesta data, o BTG Pactual esclarece que está à disposição das autoridades para que tudo seja esclarecido o mais rápido possível, como sempre. O BTG Pactual reforça que o Banco opera normalmente. O Banco esclarece ainda, que o objeto da referida busca e apreensão foi alvo de uma investigação independente conduzida pelo escritório de advocacia internacional Quinn Emanuel Urquhart & Sullivan, LLP, especializado em investigações e auditorias, contratado em 2015 por um comitê independente formado justamente para fazer uma auditoria externa e imparcial sobre as alegações na época relacionadas a atos ilícitos. A referida auditoria concluiu não existir qualquer indício de irregularidade. O relatório é público e pode, inclusive, ser acessado no site do banco”, afirmou o banco, em nota.

Podser360