João Pessoa 22/04/2019

Início » Notícias » Lava Jato aponta ‘sérias dúvidas’ sobre parcialidade de ministro que soltou Beto Richa

Lava Jato aponta ‘sérias dúvidas’ sobre parcialidade de ministro que soltou Beto Richa

‘Prisão foi equivocadamente cassada’

Governador Beto Richa. Foto: Ricardo Almeida/ANPr

Beto Richa foi solto na manhã de 6ª feira (1º.fev.2019)Ricardo Almeida/ANPr/via Fotos Públicas

Os procuradores da força-tarefa Lava Jato no MPF-PR (Ministério Público Federal no Paraná) manifestaram em nota “surpresa e firme discordância” sobre decisão do ministro João Otávio Noronha, presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que determinou a soltura do ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB).

Beto Richa foi solto na manhã desta 6ª feira (1º.fev.2019). Deixou a cadeia por volta das 10h.

O pedido de prisão foi feito pelo MPF (Ministério Público Federal) em 25 de janeiro, num desdobramento da operação Integração, 58ª fase da Lava Jato, que investiga a concessão de rodovias no Paraná.

Eis os 6 pontos apresentados em nota pelos procuradores que apontam “sérias dúvidas” na decisão do ministro:

  1. “O Ministro João Noronha já havia criticado publicamente decisão de prisão emitida contra o governador, no dia 17 de setembro de 2018, fora dos autos”;
  2. “A ordem de soltura foi dada pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (3ª Instância de julgamento) sem que a decisão que decretou a prisão tenha sido avaliada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (2ª Instância), em evidente supressão de instância”.
  3. “O objeto do habeas corpus não era a decisão de prisão que foi equivocadamente cassada. Por isso, as questões enfrentadas pelo Ministro não estavam sequer na petição inicial do habeas corpus.
  4. As circunstâncias não usuais em que o habeas corpus foi concedido se somaram à ausência de oportunidade para o Ministério Público se manifestar, apresentando informações e documentos relevantes, sobre a questão levada unilateralmente pela parte interessada“.
  5. “Diferentemente do que alegou o eminente ministro, ao largo da questão relativa à participação de Beto Richa na obstrução da investigação apontada pelo Ministério Público, os fatos criminosos não se restringiram aos anos de 2011 e 2012, mas se estenderam até pelo menos janeiro de 2018, tratando-se de situação semelhante àquela que embasou diversas prisões na Lava Jato, mantidas nas 4 instâncias”.
  6. “Por fim, a 2ª soltura de Beto Richa, em circunstâncias que causam surpresa para o Ministério Público, seguiu-se à concessão de liberdade para o paciente, em oportunidade anterior, pelo ministro Gilmar Mendes, sem livre distribuição. Isso, aliás, acabou por ser objeto de exame pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, que entendeu que outro ministro é o competente para o julgamento dos feitos relacionados à operação Integração no Supremo Tribunal Federal“.

INVESTIGAÇÃO CONTRA RICHA

Beto Richa é investigado por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Ele é acusado de ter embolsado da Odebrecht cerca de R$ 2,5 milhões para sua campanha à reeleição em 2014.

De acordo com a delação premiada de Benedicto Júnior, ex-presidente da empreiteira, os R$ 2,5 milhões doados por meio de caixa 2 para a campanha eleitoral de Richa ao governo do Paraná, em 2014, foram lançados como despesa no projeto de duplicação da PR-323, a PPP (Parceria Pública-Privada), suspensa em 2016.

A Justiça Federal do Paraná justificou a prisão de Richa como andamento ao processo por suspeita de ação de obstrução. Noronha afirmou que não há motivos para uma nova prisão de Richa e que os fatos que o levaram à cadeia são antigos, referentes a 2011 e 2012.

Poder360