Lewandowski e Eliana Calmon tomam posse em comitê da ONU - :: Paraiba Urgente :: Portal de Notícias

Lewandowski e Eliana Calmon tomam posse em comitê da ONU

Dois magistrados brasileiros tomam posse nesta segunda-feira no comando do Comitê Permanente da América Latina para Prevenção do Crime, da Organização das Nações Unidas (ONU). Vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Ricardo Lewandowski assume como presidente do organismo, enquanto a ministra Eliana Calmon, do Superior Tribunal de Justiça (STF), é empossada como secretária-geral do comitê.

O comitê terá a missão de elaborar um relatório sobre a situação da violência na América Latina, a ser apresentado no 13º Congresso da ONU sobre Prevenção do Crime e Justiça Criminal em 2015, em Doha, no Qatar. O encontro contará com a presença de autoridades internacionais e especialistas na questão da criminalidade em nível global.

Entre as principais atribuições do comitê está o mapeamento das tendências comuns no fluxo de criminalidade nas diferentes regiões da América Latina, assim como a aferição do impacto da violência na família e na comunidade. O órgão também deverá mensurar o efeito da tecnologia na segurança da população, bem como recomendar apoio técnico e financeiro às melhores práticas institucionais de combate ao crime. Caberá ao comitê ainda avaliar o índice de confiança da população em relação às autoridades policiais, além de indicar mecanismos de pacificação para superar elementos que causem medo e vulnerabilidade na população.

O comitê é subordinado ao Instituto das Nações Unidas para América Latina e Caribe para Prevenção do Crime e Tratamento do Delinquente (Ilanud), sediado em San José, na Costa Rica, e vinculado ao escritório da ONU sobre Drogas e Crimes (UNODC).

Os estudos desenvolvidos serão integrados ao “Plano Global das Metas de Desenvolvimento Sustentável do Milênio – O Futuro que Queremos”, que procura desenvolver soluções duradouras para problemas globais como miséria, fome, analfabetismo, exclusão, discriminação, degradação ambiental e insegurança.

“Esse é o início de um trabalho que tentará não apenas entender as razões do fenômeno da violência na América Latina, mas, sobretudo, propor medidas e soluções exequíveis no longo prazo”, avalia a ministra Eliana Calmon, que também é diretora-geral da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados Ministro Sálvio de Figueiredo (Enfam).

De acordo com o “Mapa da Violência”, apresentado em março deste ano pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos (Cebela), dos 16 países que apresentam índice de mortes por arma de fogo superior a dez casos a cada 100 mil habitantes – máximo tolerável, segundo a ONU -, 14 estão na América Latina. As exceções são o Iraque e os Estados Unidos.

A liderança do ranking é de El Salvador, com 50,4 mortes a cada 100 mil habitantes, seguido pela Venezuela, com 49,5. O Brasil está em nono lugar na lista, com 20,4 óbitos por arma de fogo a cada 100 mil habitantes no ano de 2010.