Líder do PSD na Câmara prevê mais votos contra Temer na 2ª denúncia; na Paraíba, bancada segue dividida

O líder do PSD na Câmara, deputado Marcos Montes (MG), afirmou ontem, 27, que o número de deputados do partido que votarão contra o presidente Michel Temer deve aumentar na segunda denúncia em relação à primeira. Segundo ele, a bancada da legenda, quinta maior da Casa, com 39 deputados, está “muito insatisfeita”. Na Paraíba o partido conta com o deputado federal Rômulo Gouveia que preside o PSD no Estado.

“Acho que devemos ter de 15 a 20 deputados votando contra o presidente. A bancada está muito insatisfeita. Muitas emendas que foram prometidas não foram pagas. O governo não tem dinheiro”, afirmou Montes à reportagem. Na primeira denúncia, o PSD tinha 40 deputados, dos quais 14 votaram contra Temer, 22 a favor e dois se ausentaram. Rômulo votou na primeira denúncia a favor do presidente Michel Temer (PMDB), seguindo a orientação do seu partido.

Integrante do Centrão, o PSD continuará defendendo que a Câmara vote de forma separada a denúncia contra Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) apresentadas pela Procuradoria-Geral da República (PGR). “Junto, vai ser bom para os ministros, mas perigoso para o presidente”, disse.

Montes acredita, porém, que dificilmente o Centrão conseguirá o fatiamento. Nesta quarta-feira, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), já anunciou que a denúncia não será fatiada e terá um único relator, que elaborará somente um parecer para ser votado.

A CCJ é o primeiro local da Câmara em que a acusação é votada. De lá, a denúncia seguirá para votação no plenário da Casa. Para ser que o pedido de investigação da PGR seja aceito, pelo menos 342 dos 513 deputados devem votar a favor dela.

BANCADA PARAIBANA DIVIDIDA

Com a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), que deve começar a tramitar na próxima semana na Câmara, os membros da bancada federal paraibana estão divididos. Há posições a favor, contra e indeciso, como é o caso dos deputados Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), Pedro Cunha Lima (PSDB) (Favoraveis) e de André Amaral (PMDB) e Efraim Filho (DEM) que estão indecisos sobre o prosseguimento da denúncia.

De acordo com Pedro, a pergunta que é feita por todo brasileiro é que fosse um cidadão comum diante desses fatos seria ou não investigado? “Todos nós sabemos que seria. Então se o cidadão comum tem que se submeter a lei, o presidente da República, seja ele quem for, também tem que ser investigado”, argumentou. Pedro disse que seguirá nesta linha, como forma de contribuir para aumentar o rigor da democracia brasileira perante os governantes. “Fui a favor do impeachment, votei a favor da cassação de Eduardo Cunha, agora também sou favorável a investigação contra Temer”, afirmou o parlamentar, que revelou que o PSDB não vai fechar questão da em torno da votação da denúncia.

André Amaral vai votar contra a denúncia e defende que Temer responda pela denúncia após o término do mandato de presidente, para não atrapalhar o processo de recuperação do País. “A Política passa por momento conturbado, mas de todos os momentos contubardos que já passamos esse é o mais arrefecido. O presidente Michel Temer na primeira votação mostrou força no Congresso. A esperança que a gente tem, é a esperança de um novo Brasil que está na frente, e em que as coisas estão voltando a acontecer, em que a economia está reaquecendo”, comentou.

A expectativa de Amaral é que o Congresso Nacional se posicione pelo arquivamento da denúncia, que segundo ele, já foi apreciada. “Não há nada de novo. É a mesma denúncia que já apreciamos sendo apresentada, com os mesmos argumentos, e com a vontade de desestabilizar o Governo que vem propondo as transformações que o Brasil precisa”, declarou.

Já Efraim Morais, líder do Democratas na Câmara, está na ala dos indecisos. Segundo ele, há vulnerabilidade e fragilidade, neste momento em que a Casa recebe a nova denúncia contra Temer, e a base governista não está coesa. O parlamentar ressaltou, no entanto, que seu partido fará uma análise baseada na Lei, nos fatos e nas provas.

RELEMBRE O VOTO NA PRIMEIRA DENÚNCIA

Confira abaixo como votaram os parlamentares:

Aguinaldo Ribeiro (PP): Sim (arquivamento da denúncia)

André Amaral (PMDB): Sim (arquivamento da denúncia)

Benjamin Maranhão (SD): Sim (arquivamento da denúncia)

Damião Feliciano (PDT): Não (aceitação da denúncia)

Efraim Filho (DEM): Sim (arquivamento da denúncia)

Hugo Motta (PMDB): Sim (arquivamento da denúncia)

Luiz Couto (PT): Não (aceitação da denúncia)

Pedro Cunha Lima (PSDB): Não (aceitação da denúncia)

Rômulo Gouveia (PSD): Sim (arquivamento da denúncia)

Veneziano Vital (PMDB): Não (aceitação da denúncia)

Wellington Roberto (PR): Não (aceitação da denúncia)

Wilson Filho (PTB): Ausente

PBAgora