Líderes mundiais marcham juntos contra o terrorismo, em Paris

Os franceses tomam as ruas de Paris neste domingo (11/1) em meio à tensão provocada pelo mais grave ataque terrorista na França dos últimos anos. Na última quarta-feira (7/1), o jornal satírico Charlie Hebdo foi alvo de um atentado e 12 pessoas morreram. O ato, denominado de “marcha republicana” é uma demonstração de união diante da violência extremista. Mais de 1 milhão de pessoas são esperadas no centro da capital francesa.

A presença de líderes internacionais é uma resposta ao convite do presidente François Hollande para que todos demonstrem unidade contra o terrorismo. Autoridades como a chanceler alemã, Angela Merkel, o premiê britânico, David Cameron, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu confirmaram presença. O embaixador do Brasil na França também participará do ato.

Acompanhe ao vivo:

13h09: Dezenas de palestinos fizeram uma manifestação em Ramallah, sede da Autoridade Palestina na Cisjordânia, em solidariedade com a França. Sob o slogan “A Palestina se solidariza com a França contra o terrorismo”, dezenas de pessoas agitaram bandeiras francesas e palestinas. O presidente da Palestina, Mahmud Abas, viajou a Paris para participar com outros 60 dirigentes mundiais em uma “marcha republicana” contra os atentados.

13h06: O secretário de Justiça e procurador-geral dos Estados Unidos, Eric Holder, disse neste domingo que “não há informação confiável” de que a Al Qaeda esteja envolvida nos ataques que, esta semana, deixaram 17 vítimas, em Paris.

12h57: Sobreviventes do ataque à revista Charlie Hebdo, como o designer especial Luz e Patrick Pelloux,  também estão presentes no marcha republicana, em Paris.

Reprodução

12h51: Autoridades internacionais prestam solidariedade aos franceses mortos em atentado.


12h46:
Mais de 10 mil pessoas participam de um ato no centro de Bruxelas sob o lema “Juntos contra o ódio”.

12h39: Os chefes de estado seguirão com os manifestantes até o Palácio do Eliseu, a marcha seguirá até a Praça da Nação. Mais de 1 milhão de pessoas participam do protesto contra o terrorismo, segundo a Prefeitura de Paris.

12h30: Autoridades mundiais caminham de braços dados pelas ruas de Paris.

12h24: O presidente Hollande e o primeiro-ministro Manuel Valls chegaram à Place de la République sob escolta de seguranças.

12h16: Elsa Wolinski, filha do criador da revista Charlie Hebdo, Georges Wolinski, morto na quarta-feira no ataque, falou com jornalistas e pediu para que as pessoas não se entreguem ao ódio. “Nessa coisa sórdida vai algo maravilhoso, Wolinski morreu com os amigos“, afirmou a filha do artista.

12h11: Multidão tira fotos em frente a uma banca de revistas em Oberkampf, em Paris. O dono do estabelecimento fez uma pequena exposição com as capas da revista satírica Charlie Hebdo.

Reprodução/Philippe Euzen

12h06: Após participar da marcha, Hollande visitará a Grande Sinagoga de Paris, onde assistirá a uma cerimônia em memória das 17 vítimas dos atentados jihadistas.

12h05: “Foram adotadas todas as medidas para que esta manifestação possa transcorrer em um clima de acolhimento, respeito e segurança. Todos os dispositivos estão adotados”, disse o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve.

12h04: No total, estão mobilizados 5,5 mil homens, entre policiais e soldados, além de 2,2 mil agentes encarregados de proteger a manifestação diretamente.

 AFP PHOTO / PATRICK KOVARIK

12h02: Mais de um milhão de pessoas são esperadas neste domingo em Paris para a histórica manifestação pela liberdade e democracia.

AFP PHOTO / LOIC VENANCE

11h57: Franceses colocaram uma fita preta no braço da estátua Marianne na Place de la Republique, em Paris.

AFP PHOTO/JOEL SAGET

11h54: Autoridades mundiais seguem juntas para o local da manifestação, dia histórico em Paris. Eles saíram do palácio do governo francês e embarcaram em um ônibus executivo.

11h51: Carros são impedidos de passar nas ruas próximas à Place de la République, local da manifestação. forte presença de policiais na região, informou um repórter da BBC.

11h49: De acordo com o Le Figaro, os quatro judeus mortos pelo jihadista Coulibaly, na sexta-feira (9/1), serão enterrados nesta terça-feira (13/1), em Israel.

11h48: Políticos e chefes de Estado e de Governo de todo o mundo saem do Palácio do Eliseu a caminho da Place de la République.

11h45: Famílias de vítimas chegam à marcha acompanhadas por outros familiares de sobreviventes da onda de ataques em Paris, informou o jornal Le Figaro.

 AFP PHOTO / LOIC VENANCE

11h40: Francês carrega uma placa que mostra um terrorista armado e a frase Je Suis Charlie(Eu sou Charlie) com marcas de tiros. O homem do desenho diz: “Aprendemos devagar“.

 AFP PHOTO / JOEL SAGET

11h33: “Paris hoje é a capital do mundo”, afirmou o presidente francês François Hollande aos membros de seu gabinete reunidos no palácio do Eliseu, antes de se dirigir para a manifestação. “Todo o país vai reunir o melhor que tem”, afirmou o chefe de Estado.

AFP PHOTO / BERTRAND GUAY 11h30: A justiça francesa informou que suspeita que o jihadista Amedy Coulibaly, que participou na tomada de reféns em um mercado de produtos judeus, pode estar por trás da agressão contra um homem no sul de Paris. A agressão teria acontecido horas depois do massacre na redação da revista Charlie Hebdo na quarta-feira passada, quando 12 pessoas foram mortas.
AFP PHOTO / OFF -- EDITORS NOT11h27: Manifestantes sobem na base da estátua Marianne na Place de la Republique, segurando bandeiras da França e gritando “Je Suis Cherlie” (Eu sou Charlie).
 AFP PHOTO / JOEL SAGET

11h26: O secretário de Justiça americano, Eric Holder, anunciou que os Estados Unidos realizarão uma reunião de cúpula para tratar da questão da luta contra o “extremismo violento no mundo” no próximo dia 18 de fevereiro.

11h23: Em Montreal, segunda metrópole do Canadá, com mais de 1,5 milhão de habitantes, uma marcha silenciosa foi marcada para este domingo, às 11h (14h, em Brasília), em homenagem às vítimas dos ataques terroristas em Paris e pela defesa dos valores republicanos. Montreal é a principal cidade da província de Quebec, ex-colônia francesa, e onde o idioma francês é a língua mais usada pela população de quase 8 milhões de pessoas.

11h16: Os primeiros-ministros do Reino Unido, da Itália, da Alemanha, da Bélgica, da Dinamarca, da Espanha, da Holanda, da Turquia e de Israel confirmaram presença na marcha em Paris. Também devem participar o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas; o rei da Jordânia, Abdulla II, os presidentes da Ucrânia, da Nigéria e do Mali, além de representantes da Rússia, dos Estados Unidos e de líderes da União Europeia.

AFP PHOTO / DOMINIQUE FAGET
11h04: Uma manifestação na Grécia também ganhou adesão de milhares de pessoas. Segurando cartazes com os dizeres “Je Suis Chelie” (Eu sou Charlie), manifestantes se reuniram em uma praça de Salonica, segunda maior cidade grega.

10h59: Famílias francesas participam do ato. Até o momento, o clima na Place de la République é tranquilo, sem graves ocorrências. Os manifestantes cantam o hino da França e gritam “Charlie”. Há tantas pessoas que os manifestantes são obrigados a esperar nas ruas adjacentes.

10h55: Um helicóptero da polícia acompanha a manifestação em Paris. Milhares de pessoas estão reunidas na Place de la République.

AFP PHOTO / BERTRAND GUAY

10h52: Atiradores de elite estão posicionados ao longo do trajeto. O ponto de encontro foi na Place de la République. A multidão deve seguir em direção à Praça da Nação dividida em dois grupos, um passará pelo Boulevard Voltaire e outro pela Avenida da República. Algumas estações de metrô próximas ao trajeto estão fechadas. É proibido estacionar em ambas as rotas.

publicidade