Luta e resistência contra a retirada de direitos da reforma da previdência, diz deputada em plenária em Santa Rita

Luta e resistência contra a retirada de direitos da reforma da previdência, diz deputada em plenária em Santa Rita

Às vésperas de um protesto em nível nacional contra a reforma da previdência proposta pelo presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira (14), a deputada socialista Cida Ramos (PSL), debate na Câmara Municipal de Santa Rita-PB e desabafa: “A reforma da previdência não é nem se pode deixar nas mãos de deputados para ser votada é preciso um debate com a sociedade e as Câmaras de todo Brasil”. A deputada disse ainda que essa reforma da previdência mexe com todos e até com aqueles que não ingressaram ainda no mercado de trabalho, “é a reforma mais cruel apresentada por um governo que vai destruir um sistema construído ao longo de todo tempo, vamos sair de um sistema solidário de repartição e quem trabalha contribui para o aposentado diferente do que está sendo proposto por esse governo”, declarou Cida Ramos.

“Querem tirar o sistema solidário para um financeiro aonde o empregador, trabalhador e o estado são os responsáveis pelo sistema atual e passando para o trabalhador por meio de poupança ser o responsável e num país de 13 milhões de desempregados que ganha um, dois e três sala´rios mínimos já inviabiliza essa poupança neste sistema de Capitalização e financeiização e que se quer implantar no Brasil já péssimo exemplo no Chile que se tem visto o maior índice de suicídio das pessoas que o sistema não foi capaz de assegurar as aposentadorias e o que lá não deu certo e no Brasil será pior em uma população de mais de 200 milhões de habitantes” prevê a deputada Cida Ramos.

Contudo, a deputada ressaltou também que a reforma proposta prejudica o trabalhador rural aumentando em mais de 15 anos sua contribuição como eles querem, e a idade deste trabalhador no campo começa sua jornada menor de idade entre 14 e 15 anos de idade, por isso, com esse novo custo da previdência e essa nova modalidade como vai viver e como vai ficar a vida de um trabalhador rural que é muito diferente de um trabalhador urbano, além de prejudicar as mulheres como é o caso das professoras aumentando em mais de 20 anos sua contribuição e aumentando também a idade da professora primária e ainda após sua jornada de trabalho que as vezes são duas escolas para formar o salário e  ainda quando chega em casa é obrigada a fazer tripla  jornada de trabalho cuidando da família, e isso, é desumana a reforma do presidente Bolsonaro quer criar para derruir o sistema e acabar com a vida do brasileiro sem conseguir se aposentar e morrer trabalhando, tachou Cida Ramos.

Por fim, Cida Ramos chamou a atenção para a categoria dos idosos no Brasil para o benefício da prestação continuada que querem reduzir de um salário mínimo para 400 reais, que e desumano o que querem fazer com o povo brasileiro, é por isso, que estou em minhas andanças por toda à Paraíba esclarecendo a população e conclamando para protestar nas ruas e coibir essa votação sem escutar o povo e que minha vida foi de luta e resistência que consegui vencer na vida e que estou deputada para defender o povo e que jamais deixarei na assembleia legislativa tirar direito da população, frisou a deputada.

Lamartine do Vale