Maduro anuncia tomada de fábricas paralisadas e prisão de empresários

Maduro tomar empresaO presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ordenou neste sábado (14), como parte do estado de exceção decretado na sexta-feira (13), a intervenção nas fábricas que estiverem paralisadas e a detenção dos empresários que pararem a produção com o objetivo de “sabotar o país”.

“No âmbito desse decreto em vigor (…) tomemos todas as ações para recuperar o aparelho produtivo que está sendo paralisado pela burguesia (…), e quem quiser parar para sabotar o país que vá embora, e o que fizer isso deve ser algemado e enviado para a PGV (Penitenciária Geral da Venezuela)”, declarou Maduro, em um comício no centro de Caracas.

A medida pode implicar a tomada de quatro fábricas de cerveja da Empresas Polar – a maior produtora de alimentos e de bebidas do país. Essas unidades se encontram paralisadas desde 30 de abril passado pela falta de acesso a divisas para importar insumos, de acordo com a companhia, dentro do estrito controle cambial imposto em 2003 pelo então presidente Hugo Chávez (1999-2013).

“Planta parada, planta entregue ao povo! (…) Vocês vão me ajudar a recuperar todas as plantas paralisadas pela burguesia”, lançou Maduro a seus milhares de seguidores durante o ato.

Nicolás Maduro discursa em comício no centro de Caracas neste sábado (14) (Foto: Juan Barreto/AFP)

Também neste sábado, Maduro ordenou a realização de “exercícios militares” no próximo sábado (21), para enfrentar o que denunciou como “ameaça externa”, após decretar estado de exceção no país.

“No próximo sábado, convoquei exercícios militares nacionais das Forças Armadas, do povo e da milícia, para nos prepararmos para qualquer cenário”, afirmou Maduro, em entrevista à televisão no encerramento da mobilização chavista.

Emergência
Em uma cadeia de rádio de televisão, Maduro assinou na sexta-feira à noite um decreto de “estado de exceção e de emergência econômica” por três mais meses para “neutralizar e derrotar a agressão externa” que, afirmou, afeta o país.

Acompanhado do gabinete ministerial no palácio de governo, o presidente ampliou deste modo os alcances de um decreto de emergência econômica em vigor desde janeiro, cuja prorrogação de dois meses expirava no sábado (14).

Maduro – que enfrenta uma severa crise econômica e cuja administração é reprovada por 68% dos venezuelanos, segundo o instituto Venebarómetro – não explicou se a medida implicará a restrição dos direitos civis.

Na quinta-feira (12), o presidente havia anunciado a ampliação do decreto para impedir que a oposição venezolana — que controla o Parlamento — execute um golpe de Estado contra ele do modo como, segundo ele, aconteceu no Brasil com Dilma Rousseff.

G1.Globo