Manifesto que pede saída de Cunha da Câmara é assinado por 35 deputados de nove partidos

chico alencarBRASÍLIA – Uma semana depois da formalização da denúncia do Ministério Público contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o grupo de deputados que no mesmo dia pediu a saída dele da presidência divulgou novo manifesto, com a assinatura de 35 deputados de 9 partidos. O documento reforça que o “robusto conteúdo probatório” da denúncia expõe o Parlamento e torna insustentável a permanência de Cunha na presidência da Casa. Embora tenha assinatura de deputados de nove partidos, sendo 18 deputados do PT, com exceção do PSOL, os demais partidos não endossam esta posição.

Além de deputados do PT e do PSOL, assinam o documento deputados do PPS, PR, PSB, PROS, PTB, PSC e o peemedebista Jarbas Vasconcelos (PE), do mesmo partido de Cunha. O líder do PSOL, Chico Alencar (RJ), afirma que outros deputados ficaram de assinar o manifesto, mas critica o “silêncio sepucral” da maioria dos 513 deputados e do próprio Cunha em relação à denúncia do MP, passada uma semana.

— É absurdo o pacto de silêncio sobre o assunto numa Casa que tem o dever de reverberar, de falar. Uma Casa quase que totalmente silenciosa, a começar pelo acusado. O Jarbas, a Erundina (Luiza Erundina (PSB-SP), que também assina o documento) lembraram que nunca se viu isso de o acusado não ir à tribuna para tentar se explicar à Casa — disse Chico Alencar, acrescentando:

 

— O presidente tinha o dever de se explica à Casa no plenário. É uma omissão programada, vergonhosa. Esse pacto de silêncio dos outros deputados lembra a máfia, pode ter ameaças graves e ocultas.

Para o líder do PSOL, a omissão dos partidos e a defesa de que é preciso aguardar que o Supremo Tribunal Federal se pronuncie mostra que, quando a Lava Jato atinge os políticos que, como Cunha, também podem ser denunciados:

— Quando chega na nossa própria Casa, atinge a nossa própria carne, acabou. Se omitem. É vergonhoso.

O Globo