Maranhão acha Vené com potencial, recusa Senado e vê Ricardo e Cássio enfraquecidos

Maranhão declaraçãoO ex-governador José Targino Maranhão informou nesta quarta-feira, em entrevista ao WSCOM, que recebeu com entusiasmo a liberação médica após cirurgia e revisão, por isso se considera apto a disputar uma das vagas na Câmara Federal recusando concorrer ao Senado – mesmo com alto desempenho nas pesquisas, uma vez que entende ser o cargo motivação para o PMDB e o candidato Veneziano Vital negociarem para ampliar a aliança na disputa de Governo. Na sua avaliação, o governador Ricardo Coutinho e o senador Cássio Cunha Lima saem enfraquecidos ao se dividirem e subtrairem votos.

A chapa de Veneziano tem tudo para crescer e vai crescer com as alianças, especialmente com o PT, muito importante para levá-lo ao segundo turno e ao Palácio da Redenção – avaliou o ex-governador afirmando em seguida que, em face desta conjuntura, “o cargo de senador precisa ser negociado com outro partido”, afirmou recusando sinais de disputa ao Senado. “Não existe essa hipótese”.

José Maranhão tem opinião de que, com a aliança entre PT/PMDB e outros partidos, a campanha de Veneziano tende a crescer.

O bloco governista vai se esforçar muito para ver quem vai ao segundo turno sabendo-se por antecipação que em podendo ser candidato o senador Cássio tem alta possibilidade de estar nessa condição da disputa – avaliou.

Para o ex-governador, “mesmo assim não podemos subestimar o governador, apesar do senador ter utilizado todo o tempo, nos ultimos três anos, para jogar ora como situação mantendo cargos nos três escalões, ora como critico ao governo, por isso vamos ver como fica depois de alta exposição desses valores”.

-A ruptura dos dois gerou enfraquecimento dos dois, pois isto é matemático: se eram juntos e se dividem, logo subtraem – teorizou o ex-governador.

Walter Santos
WSCOM Online