Marcelo Freitas será relator da reforma da Previdência na CCJ da Câmara

O deputado Delegado Marcelo Freitas (PSL-MG) foi escolhido relator da reforma da Previdência na CCJ

O presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), anunciou nesta 5ª feira (28.mar.2019) que o deputado Marcelo Freitas (PSL-MG) será o relator da reforma da Previdência na comissão.

“Estávamos esperando o momento propício para a escolha do relator e para a agilização do trâmite da reforma da Previdência na CCJ”, disse Francischini.

“Ontem houve 1 grande entendimento com o presidente Rodrigo Maia e os líderes da Casa de que daríamos prioridade total a tramitação da reforma e agora, com certeza, os ânimos estão acalmados”, afirmou sobre os problemas na comunicação entre Planalto e Congresso.

A expectativa agora é que a Previdência seja votada na CCJ em 17 de abril. O ministro Paulo Guedes deve comparecer à comissão na próxima semana para fazer esclarecimentos aos deputados sobre o conteúdo da reforma.

O ministro Onyx Lorenzoni participou do anúncio e afirmou que o governo achou que seria importante o relator ser 1 nome do PSL. “Nós temos 1 relator que dá tranqüilidade ao país, que tem o preparo jurídico”, disse.

Marcelo Freitas é delegado da Polícia Federal e Doutor em Direito. Ele cumpre seu 1º mandato na Câmara dos Deputados. Na biografia do deputado, ainda consta atuação como analista e assistente judiciário do STF (Supremo Tribunal Federal) entre 2000 e 2002. Na sequência, Freitas se tornou delegado federal em Minas.

série de atritos envolvendo o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez com que diversos partidos pedissem ao presidente da CCJ que não tivessem seus deputados escolhidos para relatarem a matéria, o que reduziu as possibilidades de escolha de Francischini.

A TRAMITAÇÃO

A CCJ é a 1ª parada da Previdência para análise dos deputados. Na sequência, a proposta será analisada por uma comissão especial para então passar pelo crivo do plenário da Câmara. Caso seja aprovada, a matéria segue para o Senado.