João Pessoa 15/12/2018

Início » Cidades » Marcelo Piloto é expulso do Paraguai e já está no Brasil, diz jornal

Marcelo Piloto é expulso do Paraguai e já está no Brasil, diz jornal

Marcelo Piloto foi expulso do Paraguai após ser acusado de assassinar Lidia Meza Burgos – AFP / Reprodução Facebook

São Paulo – O narcotraficante Marcelo Pinheiro Veiga, o Marcelo Piloto, foi expulso do Paraguai e já está em solo brasileiro. O governo federal ainda não informou para qual presídio ele foi levado. Piloto deixou o país em uma aeronave no início da manhã desta segunda-feira. De acordo com o jornal “ABC Color”, o voo partiu do Grupo Aerotático da Força Aérea Paraguaia, em Luque.

“Saiu pelo Grupo Aerotático, em uma operação com os militares (…) Em um avião paraguaio, de forma muito sigilosa”, confirmou Fernando Gallardo, administrador do Aeroporto Silvio Pettirossi.

O presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, confirmou em sua conta oficial do Twitter a expulsão do traficante brasileiro. “Decidi expulsar Marcelo Pinheiro, vulgo “Piloto” do Paraguai. O nosso país não é uma terra de impunidade para ninguém”.

He decidido expulsarle a Marcelo Pinheiro, alias “Piloto” del Paraguay. Que nuestro país no sea tierra de impunidad para nadie.

Segundo a publicação, três patrulhas das Forças Operacionais Policiais Especializadas partiram do quartel onde Marcelo Piloto estava preso, por homicídio e falsificação de documentos, pouco depois das 4h.

O ministro do Interior, Juan Ernesto Villamayor, evitou dar declarações sobre a extradição do brasileiro, mas disse à rádio ABC Cardinal que a unidade militar não estava preparada para este tipo de preso.

Entenda o caso

No último sábado, Marcelo Piloto matou, dentro do quartel da Polícia Nacional, onde está preso desde dezembro, Lidia Meza Burgos, de 18 anos, que o visitava pela segunda vez. De acordo com o Ministério Público do Paraguai, a jovem argentina trabalhava como garota de programa e entrou no presídio de forma irregular. Ela ficou cerca de 40 minutos com o traficante e foi golpeada 16 vezes.

Na última semana, Piloto havia dado uma entrevista denunciando o pagamento de propinas à polícia paraguaia em troca de proteção. Um dia após a coletiva, as autoridades do Paraguai divulgaram um vídeo em que o CV ameaça matar a procuradora-geral do Paraguai, Sandra Quiñonez, em represália à ação dela pela extradição de Marcelo Piloto.

Na segunda-feira, a advogada dele, a argentina Laura Marcela Casuso, que organizou a coletiva, foi executada, na segunda-feira, em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil.