João Pessoa 19/03/2019

Início » Paraíba » Material escolar: pais paraibanos devem investir R$ 1 mil só em livros

Material escolar: pais paraibanos devem investir R$ 1 mil só em livros

Na volta às aulas que vão acontecer a partir da segunda quinzena do mês de janeiro de 2019, os pais de alunos devem investir algo entre R$ 500 a pouco mais de R$ 1 mil só em livros. Mas os gastos dependem do colégio que o filho for matriculado. Segundo Josilene Soares, gerente do setor de livros da Livraria Legal, “nós já começamos a receber a lista de livros que as escolas vão adotar no próximo ano. Acredito que a partir do dia 2 de janeiro, estaremos atendendo os pais que querem antecipar a compra dos livros dos filhos”, previu.

 

Ela afirmou que muitos pais já começaram a fazer pesquisas, mas a procura por todo o material exigido pelas escolas deve começar mesmo a partir do dia 2 de janeiro. “Este ano o reajuste no preço dos livros foi bem pequeno, eles estão custando praticamente os mesmos valores do ano passado, mas dependendo do colégio os pais terão que investir mais que outros, porque uns colégios fazem listas de livros maiores que outros, principalmente de livros infantis”.

 

Josilene ressaltou que os pais que vão gastar menos na compra de livros são os das escolas que solicitam livros integrais. “O integrado é o livro que acolhe todas as disciplinas. Esse com certeza tem preço muito mais em conta. É um livro muito solicitado por escolas pequenas de bairros, e o preço ajuda muito no orçamento familiar”, observou.

 

Josilene disse que o valor a ser investido pelo pai na compra de livros varia de um colégio para o outro. Em um colégio simples o pai deve investir em livros cerca de R$ 500. Já em um colégio mais sofisticado o investimento este ano, só na compra de livros, deve ser pouco mais que R$ 1 mil. “Fora o material escolar que também é exigido na lista das escolas”, informou.

 

Contratações – Este ano, por conta das baixas vendas, já que muitos pais estão fazendo a compra dos livros via internet, as livrarias devem contratar temporariamente um número menor de pessoas que no ano passado neste mesmo período.

PB Agora