Médicos aprovam jejum de 23 dias para emagrecer : Veja Débora Seco

debora secoCada dia as celebridades aparecem com uma novidade para manter a boa forma, e para chocar quem tem o mínimo de noção de saúde. Desta vez, foi atriz Deborah Secco, que deu à luz há 5 meses. Ele revelou em entrevista a uma revista que chegou a ficar 23 horas sem comer na gestação. O objetivo deste jejum era não engordar muito. Médicos condenam esse tipo de dieta, que põe em risco a saúde da mãe e o desenvolvimento do bebê.
A professora da Ufes e obstetra Maria Angélica Belonia explica que, na gravidez, quanto mais correta for a alimentação da mãe, melhor. “Dieta para perder peso pode ser feita em qualquer outra fase, menos na gravidez, quando o importante é gerar vida, com ganho de peso adequado.”
Segundo a ginecologista, o bebê tem um consumo constante de nutrientes. Por isso, a gestante não pode ficar períodos longos sem comer. “Obrigatoriamente, ela deve se alimentar a cada três horas, com carboidratos (massas), gorduras e proteínas (carnes e feijão, por exemplo).”
Na dieta da atriz, apenas de 15 em 15 dias era permitido comer carboidratos. A base do cardápio era proteína e gordura. Até bacon estava
liberado.
Deborah disse à revista “Glamour” que conseguia ficar tanto tempo sem comer, porque gordura e proteína saciam por mais tempo. Mas a obstetra Maria Angélica diz que não é apenas a fome da mãe que deve ser levada em consideração, mas o bem-estar do bebê. “Às vezes, a criança vai nascer com o peso correto, mas não sabemos as consequências na saúde e no aprendizado dela no futuro”.
Outro problema é que o carboidrato é fonte de energia para o bebê. “No último trimestre de gravidez, ele acumula essa energia no fígado, para que possa consumir no início da vida.”
Na entrevista polêmica, Deborah fez questão de ressaltar o seu bom nível de colesterol no sangue. Porém a taxa equilibrada não é sinônimo de saúde para o filho. “O controle do colesterol é importante para evitar doenças cardiovasculares na vida da pessoa. Mas não que dizer que o bebê esteja bem nutrido.”
Crítica
De acordo com o médico nutrólogo Roger Bongestab, a palavra que resume essa dieta é absurdo. “Passar 23 horas em jejum causa alterações metabólicas tão sérias, que podem levar a doenças crônicas e até mesmo desenvolvimento de mutações genéticas. O consumo de uma dieta low-carb (pouco carboidrato) tem suas indicações, mas jamais uma dieta sem carboidratos”, alerta.
A busca excessiva pela beleza, segundo o médico, pode levar a mãe a não se preocupar com o feto e, em seguida, com o bebê que amamenta, pois continua com a dieta após o parto. “Há relatos de mães que deixam seus filhos caírem do colo por terem vertigens e desmaios decorrentes da privação de carboidratos.”
O ideal é fazer acompanhamento nutricional durante toda a gestação. Ao evitar o ganho de peso excessivo, não será necessário recorrer a dietas prejudiciais, como aconteceu com a atriz, que tinha ganhado 19 quilos antes de seguir esse método.
Cuidados
8 quilos
É o ganho de peso saudável, em média, da mãe na gestação.
Média
Na gravidez, a alimentação deve conter de 15% a 30% de gordura; de 20% a 30% de proteínas e 55% de carboidrato.
Leite
O leite materno precisa de carboidrato. Por isso, o consumo é necessário.
Opções
Cereais integrais, raízes e tubérculos (arroz integral, aveia, batata-doce, baroa, inhame e aipim) são ricos em carboidratos de baixo índice glicêmico, fibras e micronutrientes, que garantem saciedade, energia prolongada e ajudam no bom funcionamento do intestino.
Anemia
Pode comprometer o desenvolvimento e o crescimento fetal. Deve ser tratada através de suplementação de ferro desde o quarto mês. Para prevenir, consuma todos os dias alimentos ricos em ferro, como fígado, carne vermelha, folhas verde-escuras e leguminosas (feijão, lentilha e ervilha). Como a vitamina C favorece a absorção desse mineral, inclua nas refeições sucos de laranja, caju, goiaba e acerola.
Pós-parto
Com a amamentação, a mulher vai perder peso. Só no parto, são 5 kg. Algumas ficam até mais magras do que antes de engravidar. Para emagrecer, a dica é buscar orientação médica e nutricional.
Fonte: obstetra Angélica Belonia, nutrólogo Roger Bongestab e nutricionista Larissa Denicoli