Mesmo após articulação para acomodar Eliza Virgínia na ALPB, parlamentar não descarta deixar o PSDB

Apesar da articulação partidária que levou a vereadora Eliza Virgínia a assumir uma cadeira na Assembleia Legislativa da Paraíba, a tucana não garante que se manterá na legenda para enfrentar a a disputa eleitoral no próximo ano, quando pretende conseguir a titularidade do mandato. Prestes a realizar o sonho pessoal de ocupar o legislativo paraibano, a suplente terá muitas escolhas para fazer, mas destacou que deixará ‘2018 para 2018’.

“Sou candidata à reeleição para deputada”, garantiu Eliza que, em 2014, obteve 20.249 votos e foi a terceira mais votada em João Pessoa.  A parlamentar falou sobre mágoas com o PSDB e ponderou que não trocaria a legenda por siglas como o PT, PCdoB ou PPS (no qual já foi filiada) por questões de afinidade com as bandeiras defendidas. “Quem me sondou foi o Avante e o PSDC. Vamos ver como vai se comportar o movimento da legislação eleitoral, que a gente não sabe como vai ficar. Não tenho como decidir nada agora. Estou estudando ainda”.

A suplente chegou à ALPB após a nomeação do deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB) para a Secretaria Municipal de Ciência e Tecnologia de Campina Grande, pelo prefeito Romero Rodrigues (PSDB). Além de definir a legenda, Eliza também terá que escolher um candidato para representar as oposições na disputa para a o governo do estado, hoje polarizada entre os prefeito Luciano Cartaxo (PSD) e Romero Rodrigues. “A Paraíba está de parabéns com dois gestores excelentes. A aliança vai permanecer e vai para a cabeça de chapa quem estiver melhor”.

Entre os critérios apontados pela parlamentar, a utilização das pesquisas internas para medir a aceitação do público paraibano. “O povo vai ser consultado”, destacou a tucana que se esquivou de continuar no assunto: “Eu vou fazer o que Cartaxo faz, o que Romero faz, e deixar 2018 para 2018”.