Metas do acordo de Paris, saiba quem é quem

Ilustração, The Washington Post.

A 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima aconteceu em Paris, em 2015. Pela primeira vez 196 países concordaram com metas para minimizar o aquecimento do planeta. Mas, passados quatro anos, o que os países já fizeram para cumprir suas metas no acordo de Paris?  Fizemos uma curadoria na rede atrás de informações. Veja, abaixo, quem é quem na hora de cumprir promessas. Marrocos e Gâmbia estão na frente. Metas do Brasil são consideradas ‘insuficientes’.

COP 21, ou Acordo de Paris, o mundo deu vivas!

A reunião foi emblemática. Ao final, o secretário geral da ONU, Ban Ki – Moon, declarou emocionado:

O Acordo de Paris é um triunfo para as pessoas, o meio ambiente e para o multilateralismo. Pela primeira vez os países se comprometeram a reduzir suas emissões. Reforçar a resiliência e agir internacionalmente…196 países já apresentaram suas contribuições nacionais, e prometeram rever seus planos a cada cinco anos, a partir de 2018…Agora nossos pensamentos devem se voltar para a implementação desses planos

O que foi negociado no acordo

Vamos lembrar. Faz pouco menos de quatro anos que 196 países negociaram o Acordo de Paris, sob o qual se comprometeram a tomar medidas para limitar o aumento da temperatura média global neste século para bem abaixo de 2 graus Celsius em relação aos níveis pré-industriais. E, finalmente, para limitar esse aumento a 1,5 graus C. Cada signatário enviou seu próprio plano nacional. E estabeleceu metas para redução de emissões, especificando caminhos pelos quais pretendia atingi-las.

Metas do acordo de Paris

Um dos veículos que publicaram matérias foi a icônica National Geographic, que assim abriu o texto: “Enquanto os países revisitaram suas metas na Cúpula das Nações Unidas sobre Mudança Climática, em setembro de 2019, aqui está um resumo de alguns dos líderes e retardatários . Nos reunimos com o Climate Action Tracker para ver quem está se arrastando. E quem está fazendo os melhores esforços. O CAT abrange todos os maiores emissores. E uma amostra representativa de emissores menores. Seus dados cobrem cerca de 80% das emissões globais. E aproximadamente 70% da população global.”

África surpreende de novo

O Mar Sem Fim chama a atenção para o fato de que a África, o continente mais pobre, tem dois países na liderança das metas. Não é a primeira vez que o continente se destaca por medidas arrojadas para conter problemas mundiais. Na luta contra o plástico, o continente lidera os esforços mundiais.

Marrocos e suas metas

NG: “De acordo com a CAT (Climate Action Tracker), o Marrocos é um dos únicos dois países com um plano para reduzir suas emissões de CO2 a um nível consistente com a limitação do aquecimento a 1,5 graus C. A Estratégia Nacional de Energia de Marrocos exige gerar 42% de sua produção de eletricidade a partir de fontes renováveis ​​até 2020 e 52% até 2030. Já é de 35%, principalmente por causa de investimentos em projetos como o complexo Noor Ouarzazate, a maior fazenda solar concentrada do mundo, que cobre uma área do tamanho de 3.500 campos de futebol. E gera eletricidade suficiente para abastecer duas cidades do tamanho de Marrakech.”

Gâmbia, energia renovável

NG: “A Gâmbia é o outro país com uma estratégia de redução de emissões. Assim como em Marrocos, um de seus principais caminhos é o uso de energias renováveis, na forma de um programa que aumentará a capacidade de eletricidade do país em um quinto, em parte através da construção de uma das maiores usinas fotovoltaicas da África Ocidental. O país também lançou um grande projeto para restaurar 10.000 hectares de florestas, manguezais e savanas. Também está substituindo os arrozais inundados por campos de arroz. E promovendo a adoção de fogões eficientes para reduzir o uso excessivo dos recursos florestais.”

Índia, líder global em energia renovável

NG: “A Índia emergiu como líder global em energia renovável. E, de fato, está investindo mais nelas do que em combustíveis fósseis. Tendo estabelecido uma meta de gerar 40% de sua energia por meio de fontes renováveis ​​até 2030, seu progresso foi tão rápido que poderia facilmente atingir essa meta uma década antes. O CAT calcula que o plano da Índia é compatível com um aumento de 2 graus C, mas que seu Plano Nacional de Energia pode ser compatível com 1,5 graus C se o país abandonar os planos de construir novas usinas a carvão.”

Costa Rica e as metas de Paris

NG: ” A Costa Rica pretende que sua produção de eletricidade seja 100% renovável até 2021. Já é extremamente próxima: em 2018 gerou 98% de sua eletricidade proveniente de fontes renováveis. ​ Principalmente hidrelétricas – pelo quarto ano consecutivo. Dois terços de suas emissões de gases de efeito estufa são de transporte. E o país tornou uma prioridade nacional o uso de energia renovável em suas estradas e ferrovias. O Plano Nacional de Transporte Elétrico exige que pelo menos cinco por cento da frota de ônibus sejam substituídos por ônibus elétricos a cada dois anos. E que pelo menos 10 por cento das novas concessões de táxi sejam concedidas a veículos elétricos. Além disso, em fevereiro de 2019, a Costa Rica estendeu uma moratória à extração e exploração de petróleo de 2021 até o final de 2050.”

Metas da gigante União Europeia

NG: “A UE adotou comparativamente cedo as metas climáticas. Em 2009, estabeleceu uma meta de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 20% até 2020. Sua meta de Paris aumentou essa redução para 40% até 2030. As políticas atuais, se totalmente promulgadas, permitiriam que ela ultrapassasse essa meta. Em maio, a UE adotou formalmente em lei uma série de medidas que incluíam uma meta vinculativa para que 32% da produção de eletricidade viesse de fontes renováveis ​​até 2030. Para alcançar esse número, diferentes países do bloco adotaram metas nacionais diferentes: Por exemplo, para Malta, a meta é de 10%, enquanto para a Suécia é de 49%.”

 O CAT e as metas da União Europeia

“O CAT calcula que o cumprimento desta e de outras metas contidas no pacote “Energia limpa para todos os europeus” da Comissão Europeia resultaria em uma redução nas emissões de 48% até 2030. Um estudo separado concluiu que melhorar ainda mais as metas de eficiência energética e fechar usinas de carvão na UE até 2030 aumentaria esse percentual para 58%. A União Europeia é  o terceiro maior emissor de CO2, atrás da China e dos Estados Unidos (que não participou do Acordo de Paris).”

Noruega

NG:”As emissões da Noruega devem diminuir em apenas 7% até 2030. E suas políticas implementadas são consistentes com o aquecimento entre 3 e 4 graus C, se todas as outras seguirem um nível de ambição semelhante. No entanto, há sinais de progresso. Estabeleceu uma meta ambiciosa de reduzir as emissões em 40% até 2030. E adotou legislação comprometendo o país a reduzir as emissões em 80 a 95% em relação aos níveis de 1990 até 2050. Seu parlamento concordou em  (principalmente) desinvestir seu Fundo Soberano de Riqueza de US$ 1 trilhão em petróleo, gás e carvão, despejando US$ 13 bilhões em estoques relacionados a combustíveis fósseis (embora poupando os pertencentes à ExxonMobil e à Royal Dutch Shell). E desviando recursos para projetos de energia renovável.

Noruega e carros elétricos

“A Noruega também lidera o mundo ao adotar carros elétricos. Quase 60% dos carros novos vendidos no país em março (2019) eram elétricos. A cobertura florestal está aumentando. E a produção de eletricidade é quase inteiramente de fontes renováveis: 96% de hidrelétricas e 2% de parques eólicos.”

E chegamos ao grande vilão das emissões, a China e suas metas

NG: “A China está a caminho de cumprir suas metas em Paris. As más notícias, de acordo com o CAT: essas metas são lamentavelmente inadequadas e não são ambiciosas o suficiente para limitar o aquecimento a menos de 2 graus C. Muito menos a 1,5 C, conforme exigido pelo Acordo de Paris. A menos que outros países façam reduções muito mais profundas com um esforço comparativamente maior.

Emissões de CO2 da China – as maiores do mundo

“As emissões de CO2 da China – já as maiores do mundo – cresceram com um aumento estimado de 2,3% em 2018. Com as políticas atuais, projeta-se que as emissões de gases de efeito estufa da China aumentem até pelo menos 2030, embora um estudo recente tenha concluído que elas podem atingir o pico uma década antes. O governo chinês subsidiou fortemente a fabricação de carros elétricos e procurou reduzir o número de carros movidos a gasolina nas estradas. Em 2018, os consumidores chineses compraram 1,1 milhão de veículos elétricos. Mais do que o resto do mundo combinado. A China é o maior fabricante de tecnologia solar do mundo. Mas também é o maior consumidor de carvão e está financiando a construção de usinas a carvão em todo o mundo”.

Inglaterra e suas metas do acordo de Paris

NG: “O Reino Unido é um caso interessante. Por um lado, o país reduziu suas emissões em 44% entre 1990 e 2018, assim como sua economia cresceu 75%. O governo declarou emergência climática. E, em junho, aprovou uma legislação que codifica uma meta de zero emissões líquidas até 2050.  No entanto, o próprio comitê do governo A Mudança Climática informou que o país está muito atrasado em relação a muitos de seus objetivos climáticos de longo prazo. E a nação está cheia de incertezas políticas que podem afetar diretamente as políticas nessa área. Se a Grã-Bretanha deixar a União Europeia com um Brexit sem acordo, não poderá mais participar do Esquema de Comércio de Emissões da UE, por exemplo.”

Rússia, o quarto maior emissor, não ratificou o acordo

NG: “A Rússia é o quarto maior emissor de gases de efeito estufa. E o único grande emissor que ainda não ratificou o Acordo de Paris. Está a caminho de cumprir sua meta de Paris. Mas apenas porque esse compromisso é muito fraco: permitiria que as emissões de gases de efeito estufa do país aumentassem de 6 a 24% em relação aos níveis de 2016 até 2020. E de 15 a 22% em 2030. A meta também não exige que o governo adote uma estratégia de desenvolvimento econômico de baixo carbono. Os dados internos sobre as emissões de gases de efeito estufa são escassos, opacos e desatualizados, dificultando a confirmação do progresso ou a falta dele.”

Legislação para regular as emissões na Rússia

“A Rússia está considerando pela primeira vez a legislação para regular as emissões. O Presidente Vladimir Putin reconheceu que a Rússia está experimentando os impactos das mudanças climáticas. No entanto, ele alertou contra o “abandono completo da energia nuclear ou de hidrocarboneto”, perguntando metaforicamente se seria “confortável para as pessoas viverem em um planeta com uma paliçada de turbinas eólicas e várias camadas de painéis solares”. E alegando que “turbinas agitam tanto que os vermes saem do chão.”

Arábia Saudita e as metas do acordo de Paris

NG: “A Arábia Saudita parece estar retrocedendo em seus esforços para reduzir as emissões de gases do efeito estufa. A estratégia “Visão 2030” do governo (para 2016) é menos ambiciosa do que um plano de 2013 que pedia que o setor de energia se diversificasse da dependência do petróleo. Embora a Visão 2030 afirme que a Arábia Saudita planeja eliminar gradualmente os subsídios aos combustíveis fósseis, o governo anunciou em dezembro de 2017 que reduziria a progressão dos subsídios para “melhorar a economia”. E o reino mantém uma cláusula de retirada para suas  metas de Paris, se perceber que o acordo impõe um “ônus anormal” para a economia, reduzem sua renda com combustíveis fósseis. Atualmente, a CAT estima que os planos atuais provavelmente resultem em um aumento de emissões em até 80% nos níveis de 2015 até 2030.”

Turquia, não ratificou Acordo de Paris, e ainda atrapalha

NG: “a Turquia é um dos dois países do G20 que não ratificou o Acordo de Paris. E, embora o governo tenha se comprometido a investir quase US$ 11 bilhões em medidas de eficiência energética, o país está buscando alcançar a auto-suficiência energética por meio de uma expansão maciça de carvão usinas a gás. No total, 80 novas usinas estão em andamento. O equivalente à capacidade de todo o setor de energia do Reino Unido. A usina de Afşin-Elbistan, no sul da Turquia, está se expandindo para se tornar a maior usina a carvão do mundo. O CAT classificou as metas de Paris da Turquia como “criticamente insuficientes”. E calculou que se a maioria dos outros países seguisse a abordagem da Turquia, o aquecimento global excederia de 3 a 4 graus C.”

Estados Unidos e a hostilidade de Trump

NG: “O CAT já classificou as metas dos EUA  como “insuficientes”. Com a hostilidade  do governo Trump em relação à ação climática, agora o CAT classifica os esforços como “criticamente insuficientes”, a mais baixa. Entre as mudanças  do atual governo estão reverter o Plano de Energia Limpa. Procurou relaxar os padrões de eficiência dos veículos a tal ponto que até os fabricantes se opuseram. E anunciou planos para enfraquecer os regulamentos para regular os vazamentos de metano da produção de petróleo e gás. O governo tem trabalhado para censurar ativamente a ciência climática dentro de suas próprias agências. E estabeleceu um painel de revisão das mudanças climáticas encarregado de questionar as conclusões da Avaliação Nacional do Clima do país.

O CAT e as metas do acordo de Paris dos Estados Unidos

“O CAT estima que, se implementadas completamente, as políticas do governo poderão até 2030 causar um aumento nas emissões anuais de gases de efeito estufa dos EUA equivalentes às emissões anuais totais do estado da Califórnia. O governo sinalizou sua intenção de se retirar do Acordo de Paris em 2020.”

Suíça e metas do acordo de Paris – emissões diminuem desde anos 70

A avaliação do país foi feita pelo phys.org: “A Suíça sempre se destaca por seus esforços em lidar com as mudanças climáticas. Suas emissões vêm diminuindo desde a década de 1970. A Suíça adotou cedo um imposto sobre o carbono (a Suécia foi a primeira em 1990). A taxa foi imposta em 2008. E, a partir de 2018, cobrava US$ 96 por tonelada de dióxido de carbono. (Para comparação, o preço no mercado de cap-and-trade da Califórnia é de cerca de US$ 15). A maior parte da receita tributária do carbono – que totaliza US$ 300 milhões – é devolvida aos cidadãos. Inclusive como subsídios aos trabalhadores de indústrias afetadas negativamente pelas políticas climáticas. Cerca de um terço é destinado à melhoria da eficiência dos edifícios. E à pesquisa e desenvolvimento de tecnologias limpas.”

Outras ferramentas Suíças para atingir metas do acordo de Paris

“A Suíça tem outras ferramentas, incluindo um esquema comercial que permite que os poluidores paguem a outros que cortem suas emissões de gases de efeito estufa, se puderem fazê-lo com menos custo. O país também possui uma rede de transporte público invejável. No entanto, os suíços não estão no caminho de cumprir sua promessa de Paris de reduzir as emissões para 230% abaixo dos níveis de 1990 até 2020. Nem de atingir uma redução de 50% até 2030.”

Brasil, um gigante adormecido, e suas metas do acordo de Paris

Não encontramos nenhuma avaliação da imprensa mundial sobre as metas tupiniquins. Recorremos a análise do próprio CAT. Vejamos o que diz: “Em pouco mais de 100 dias no cargo, o novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, afastou seu país da ação climática. E do cumprimento de seus compromissos sob o Acordo de Paris…seu gabinete expressa publicamente sua oposição a muitas das políticas climáticas existentes no Brasil.”

Mapa mundi mostra países e suas metas do acordo de Paris

‘Legislação que enfraquece o combate ao desmatamento’

CAT: “O governo aprovou uma legislação que enfraquece a estrutura institucional e legal que ajuda a combater o desmatamento. E outros crimes ambientais. Bem como reformas que enfraquecem substancialmente a participação da sociedade civil.”

‘Notável progresso em mitigação de emissões florestais desde 2005 parou’

CAT: “O notável progresso do Brasil em mitigação de emissões florestais observado desde 2005 parou. E o desmatamento e os aumentos de emissões resultantes voltaram a acelerar. O governo anterior já havia começado a reverter as principais políticas ambientais no Brasil (cortes no orçamento para as autoridades ambientais e reversão das políticas já em vigor). A administração de Bolsonaro continuou com a reversão das principais políticas ambientais. E enfraqueceu as instituições ambientais.”

‘Mudanças do Governo Bolsonaro’

CAT: “As mudanças incluem a eliminação de 95% do orçamento do Ministério do Meio Ambiente para atividades relacionadas às mudanças climáticas.  Facilitou as regras para converter multas ambientais em compensações alternativas. Promoveu mudanças no código florestal para estender os prazos das medidas de execução. A administração atual também não implementou novas políticas para interromper o crescimento das emissões em outros setores.”

‘Brasil precisará implementar políticas adicionais para cumprir suas metas’

“De acordo com nossa avaliação, o Brasil precisará implementar políticas adicionais para cumprir suas metas. E, com as políticas atuais, deverá atingir níveis de emissões  de 1.079 MtCO2e em 2025. E 1.121 MtCO2e em 2030 (respectivamente, 27% e 32% acima dos níveis de 2005). Prevê-se que as emissões na maioria dos setores aumentem até 2030.”

‘Setor florestal no Brasil’

“No setor florestal, em 2018, o Brasil registrou a maior perda mundial de floresta tropical primária de qualquer país. Atingindo 1,3 milhão de hectares, em grande parte devido ao desmatamento na Amazônia. As estimativas nacionais mostram que o desmatamento total atingiu 7900 km2 em 2018, um aumento de 13,7% em relação aos níveis de 2017. E 72% da baixa histórica alcançada em 2012 (PRODES, 2019). Dados nacionais mostram uma continuação do crescente desmatamento nos primeiros meses de 2019. Essa tendência leva o Brasil na direção oposta aos compromissos do Acordo de Paris, que incluem uma meta de zero desmatamento ilegal na Amazônia até 2030.”

‘Brasil: energias renováveis ​​representando 47% do mix de energia em 2027’

“Em energia, de acordo com as projeções políticas atuais, a meta indicativa de NDC de uma parcela de 45% de energias renováveis ​​no mix total de energia até 2030 será atingida. Com as energias renováveis ​​representando 47% do mix de energia em 2027.”

No transporte

“No transporte, embora os biocombustíveis tenham contribuído significativamente para melhorar a intensidade de emissões do setor rodoviário no Brasil, a descarbonização total do setor exigirá uma rápida aceitação de veículos elétricos.”

‘Reverter a tendência atual de enfraquecimento da política climática’

“Para atingir o pico de emissões e diminuir rapidamente os níveis posteriormente, conforme exigido pelo Acordo de Paris, o Brasil precisará reverter a tendência atual de enfraquecimento da política climática. Sustentando e fortalecendo a implementação de políticas no setor florestal e acelerando as ações de mitigação em outros setores. Incluindo uma reversão de planos para expandir as fontes de energia de combustíveis fósseis.”

Fontes: https://www.nationalgeographic.com/environment/2019/09/climate-change-report-card-co2-emissions/?cmpid=org=ngp::mc=crm-email::src=ngp::cmp=editorial::add=Science_20191002&rid=B71B4A33397786AAA2444AAD1304EA43; https://phys.org/news/2019-09-countries-paris-climate-goals.html; https://climateactiontracker.org/countries/brazil/.

Economia circular: porque é preciso entrar nessa “onda”

Estadão