Milícias estão presentes em 26 bairros da capital e 14 cidades do estado

Assim como a Hidra de Lerna, monstro da mitologia grega quase invencível porque suas cabeças, quando decepadas, se reconstituíam, as milícias parecem se regenerar depois de cada golpe imposto por investigadores e promotores. Há 20 anos, existia apenas um grupo paramilitar no estado, em Rio das Pedras. Hoje, centenas de prisões depois, com uma CPI das Milícias no meio, as quadrilhas atuam em um território cada vez maior: estão em 14 cidades do estado e fincaram raízes em 26 bairros da capital. Só no município do Rio, estão sob o jugo de milicianos, direta ou indiretamente, 2,2 milhões de pessoas.

Sem abandonar antigas modalidades criminosas, como a exploração de transporte clandestino, a venda pirata de sinais de TV a cabo e a cobrança de taxas de segurança, as milícias passaram a investir em novas atividades, dificultando, assim, as ações do poder público.

Segundo o promotor, Luiz Antônio Ayres, um dos maiores especialistas em milícia do estado e que há duas décadas atua na Zona Oeste, o mapa da expansão dos grupos paramilitares no estado já inclui cidades da Região dos Lagos e os municípios de Seropédica e Mangaratiba.

Extra