MPF determina o afastamento do secretário de saúde e outros sete servidores da prefeitura de Cajazeiras

FotoO Procurador Federal da República, Tiago Misael, com atuação no Ministério Público Federal em Sousa, ajuizou na última quarta-feira (11) Ação Cautelar Civil solicitando ao juiz da 8ª Vara Federal o imediato afastamento das funções que exercem na Prefeitura Municipal de Cajazeiras, os servidores e agentes públicos envolvidos na operação andaime, começando pelo secretário de saúde Henry Witchael Dantas Moreira e o engenheiro Márcio Braga e outras seis pessoas que integram a Comissão Permanente de Licitação – Rogério Bezerra Rodrigues, José Ferreira Sobrinho, Adams Ricardo Pereira de Abreu, Joedna Maria de Abreu, Ítalo Damião Medeiros e Walter Nunes de Sousa, sob o fundamento de que “os agentes, mesmo integrantes de organização criminosa em Cajazeiras, permaneceram desempenhando suas funções-chave na administração municipal, em setores sensíveis a operacionalização do lucrativo esquema de corrupção, quais sejam: setor de licitação, setor de engenharia (engenheiro fiscal) e ordenador de despesas do faustoso orçamento da saúde (Secretario de Saúde)“.
Na sua peça, o Procurador Federal argumenta, ainda, a permanência dos réus em seus cargos, dispondo de toda a estrutura que empregaram em prol do esquema criminoso, possibilita a reiteração das condutas e o mascaramento de provas importantes para o deslinde da ação de improbidade, que também foi ajuizada.
O pedido foi feito em caráter liminar e poderá ser decidido a qualquer momento pelo juiz da 8ª Vara Federal e, se concedido, nos termos requeridos pelo MPF os referidos agentes políticos e servidores serão afastados de quaisquer cargos que ocupem no município de Cajazeiras, sem prejuízo de vencimento para quem for funcionário efetivo.
Assessoria Imprensa