Mulher descontrolada morde policial militar em posto de saúde

mordida de mulherDepois de criar uma confusão em uma fila de atendimento em um posto de saúde e tentar agredir uma estudante grávida, uma dona de casa de 39 deu mordidas em um policial, em Nova Betânia, Viana, na manhã de ontem. O cabo foi ferido no braço e na perna, e a agressora foi detida.“Minha defesa são meus dentes, não me arrependo de ter mordido. Ele deu sorte que eu mordi devargazinho. Eu queria mesmo era morder no lugar que eu sei que ele sente mais dor”, confessou a dona de casa, que foi encaminhada para o Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Cariacica.

Segundo a estudante de 18 anos, grávida de quatro meses, ela estava na fila de atendimento do posto, quando a dona de casa chegou com um idoso e furou a fila. Após ter a atitude questionada pela estudante, a mulher se alterou e começou a gritar.
A mulher mordeu o braço e a perna do PM – Crédito: Divulgação / PM
×
1 / 4

“Eu disse para ela que o atendimento era preferencial tanto para mim, quanto para o idoso, porque eu estou grávida. Ela ficou irritada e começou a me xingar, dizendo que ele ia ficar na minha frente e ninguém tirava. Tentei questionar, e ela veio para cima de mim. Se as funcionárias não a tivessem segurado, ela teria me batido”, contou a grávida.

Com medo de ser agredida, a estudante chamou a polícia. Quando os militares chegaram ao local, eles encontraram a dona de casa bastante alterada. Um cabo da PM tentou contê-la e foi mordido.

“Ela estava descontrolada e brigava com a mulher grávida. Tentei interferir e ela partiu pra cima de mim, me dando chutes e me mordendo. Ela tentou até pegar minha arma. Tive que usar a força para imobilizá-la”, contou o cabo.

O companheiro da mulher, um aposentado de 64 anos, contou que ela é agressiva e toma remédios controlados. “Ela é assim sempre, por isso toma remédios para se acalmar. Ela já partiu pra cima de mim várias vezes e me bateu. Minha mulher agiu errado”, declarou.

Entrevista
“Ela tentou pegar minha arma” X., 39 anos, Policial militarO cabo da Polícia Militar agredido pela dona de casa contou que precisou de ajuda para imobilizar a agressora. Ele disse que a mulher estava descontrolada.

Qual a situação que o senhor encontrou ao chegar ao posto?
As funcionárias tentavam conter a dona de casa, que queria agredir a estudante grávida. Ela estava muito agressiva.

O que o senhor fez?
Tentei segurá-la, mas ela partiu para cima de mim. Quebrou meu celular, me chutou e depois me mordeu. Quando tentou pegar minha arma, eu tive que usar a força e imobilizá-la.

O senhor acredita que ela poderia ter atirado se pegasse a arma?
Não tenho dúvidas, ela estava muito alterada. Precisei da ajuda de um outro policial para contê-la. Pelo que o marido dela falou, ela tem problemas psicológicos. Foi a primeira vez que passei por uma situação dessas!

Entrevista

“Eu não me arrependo de nada” Y., 39 anos, Dona de casa

A dona de casa confessou que mordeu e chutou o policial. E afirmou que não se arrepende.

O que aconteceu?
Fui com meu companheiro buscar remédio para mim e para ele. Como ele é idoso, entrei na frente da fila. A menina começou a gritar comigo, dizendo que estava grávida, mas não tinha como eu saber disso.

Tentou agredi-la?
Não. Ela que estava descontrolada e não parava de gritar. Dizia que ia chamar a polícia.
Por que mordeu o PM?
Ele me tratou com ignorância e me jogou no chão. Eu apenas me defendi. Meus dentes são minha defesa. Ele deu sorte que eu mordi devargazinho e não consegui morder “lá embaixo”.
Se arrependeu?
Não, eu faria tudo de novo. Se estivesse armada, ia pra cima dele do mesmo jeito. Não vou ficar parada enquanto me tratam mal.
PUBLICIDADE