João Pessoa 25/03/2019

Início » Destaque » ‘Não me mate, não sou bandido’, diz amigo de jovens mortos por policial de pizzaria

‘Não me mate, não sou bandido’, diz amigo de jovens mortos por policial de pizzaria

Um jovem, amigo dos dois baleados por um Policial Militar que fazia segurança de uma pizzaria no bairro do Bessa, comentou que teve medo de ser outra vítima do segurança.

Os jovens chegavam para uma festa de confraternização e comemoração do aniversário do proprietário de uma empresa quando dois amigos foram até a frente da pizzaria aguardar outros amigos que chegariam de Uber. Ao chegar em frente ao estabelecimento, os jovens foram surpreendidos com vários tiros do segurança do local que é Policial Militar.

O jovem que não foi atingido, e não quis se identificar, afirmou que temeu pela própria vida naquele momento. Ainda abalado ele disse que soube que uma pessoa ficou ferida e outra morreu, mas não sabia, no momento, quem havia sido e acrescentou: ‘não sei o que vou fazer da minha vida’.

Ele contou que chegou primeiro, juntamente com o amigo, na moto e ficou ali na frente. O rapaz disse que chegou a olhar o segurança e pensar: ‘Estamos seguros aqui’.

“Como hoje é aniversário do meu cunhado a gente veio comemorar na pizzaria, como eu tava de moto a gente veio na frente. Chegamos primeiro e quando eu fui estacionar já tinha uma moto lá e não cabia a minha, mas o rapaz afastou a moto para que eu pudesse ocupar o espaço. Lá ficamos conversando e na frente do estabelecimento, ao meu ver, estávamos seguros, só esperando o restante do pessoal chegar no carro”, disse o rapaz.

“Quando chegaram e pararam o carro na frente fui falar com eles com o capacete na mão, quando me despedi do meu amigo o cara começou atirar. Quando ele atirou no meu amigo e atirou no motorista ele já veio para me matar, então eu me deitei no chão olhei para ele chorando e falei ‘não atire, não me mate eu não sou bandido, você tá me confundindo’, ele viu que eu tava nervoso e chorando, daí ele foi se aproximou, baixou arma, olhou para mim, me deu a mão, me deu um abraço, pediu perdão, eu olhei para ele, dei um abraço também, disse não me mate, olhei meu amigo baleado no chão e ele simplesmente foi embora” narrou o jovem, abalado.

Segundo o jovem, a sua súplica pela vida fez com que ele fosse poupado e o atirador percebesse o que fez.

“Ele reconheceu que eu não era bandido, eu percebi no olhar dele, depois que ele baleou os dois e viu a besteira que cometeu. E se eu não tivesse pedido Ele teria me matado também”, finalizou.

Um jovem de 25 anos identificado como Faustino Júnior, não resistiu aos ferimentos, o motorista do Uber levou um tiro e foi encaminhado para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa e o estado é considerado grave.

No local, o delegado de plantão Paulo Josafá, solicitou o exame pericial onde foram recolhidas várias cápsulas de pistola para exames. Testemunhas afirmaram que o homem que efetuou os disparos trabalha na pizzaria, após os disparos o acusado fugiu. E que as vítimas não esboçaram nenhum tipo de reação.

A pizzaria nega que o policial estivesse trabalhando como segurança do estabelecimento, o que está sendo investigado, e lançou uma nota de esclarecimento:

Paraíba.com