Renato Martins (PSB) disse que a aliança partido PT e PSB tem que ser verdadeira

“Não vou participar de teatro” diz vereador Renato Martins sobre aliança do PSB com o Partido dos Trabalhadores

renato martins vereadorEm contato com o Portal MaisPB na tarde desta quarta-feira (7), o vereador de João Pessoa Renato Martins (PSB) disse que a aliança entre seu partido e o PT do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT), tem que ser verdadeira e avisou que não irá participar de “teatro político”.

Sem apontar de que lado, ou mesmo se esta acontecendo encenação dos partidos, o socialista disse que está disposto a contribuir com a aliança, desde que o prefeito decida melhorar a administração com a participação do PSB, da mesma forma, o PSB estadual com a participação do PT.

“A aliança tem que ser sem vaidade e sem politicagem. Só vai ter benéfico se o prefeito quiser melhorar a gestão, assim como o PSB. Se for um teatro eu não participo disso não”, disparou o vereador sobre a permanência da aliança do PT com o PSB.

Afirmando que é um dos que acredita na força da aliança, Renato foi taxativo mais uma vez. “Não vou participar de teatro”. Ele lembrou da ‘guerra fria’ travada no período pré-eleitoral entre o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) e o governador para a permanência, ou fim, da aliança. Martins espera que episódio semelhante não aconteça na disputa eleitoral de João Pessoa em 2016.

Ronaldo Barbosa admite indefinição do PSB em participar do governo Cartaxo

No momento, partido está divido sobre participação na gestão de Luciano Cartaxo

O presidente do PSB de João Pessoa, Ronaldo Barbosa, anunciou, nesta quarta-feira (07), que não próxima terça-feira (13), o diretório municipal irá se reunir para iniciar as discussões sobre a participação ou não da sigla na gestão do prefeito Luciano Cartaxo (PT), admitindo a indefinição dos socialistas.

No momento, o PSB está divido entre assumir ou não uma secretaria na Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), como já defende o próprio prefeito Luciano Cartaxo (PT). Membros do coletivo girassol entendem que a entrada do PSB na equipe de auxiliares da PMJP compromete o partido em 2016 com apoio à reeleição de Cartaxo.

Para este grupo, a legenda deve aguardar mais um pouco. Esse grupo está convencido de que essa postura preserva algo essencial para 2016: a condição política de apresentar uma candidatura, caso necessário. Outra ala do PSB advogada a tese de que a participação no governo Cartaxo é natural, pelo princípio da reciprocidade, já que o PT ocupa secretaria estadual no governo de Ricardo Coutinho (PSB).

Barbosa explica que a cautela do PSB se deve ao fato que o partido não pode pensar apenas localmente. “Vamos supor que o PSB participe do governo aqui [João Pessoa]. O que fica no xadrez de 2016? Que tem apoio. O que significa participação na Prefeitura de Patos? Apoio a Veneziano, em Campina Grande. E 2018, como faz?”, indagou.

O encontro da próxima terça servirá de preparação para outra reunião do dia 28 deste mês, ocasião na qual o PSB irá se aprofundar mais detidamente sobre composição na gestão de Cartaxo.

Écliton Monteiro – MaisPB