João Pessoa 20/03/2019

Início » Variedades » No encontro do Grupo de Lima, Mourão defende eleições na Venezuela

No encontro do Grupo de Lima, Mourão defende eleições na Venezuela

Mourão disse ser uma “mensagem de confiança à solidariedade pan-americana e compromisso com a paz no nosso hemisfério”

O vice-presidente do Brasil, general Hamilton Mourão, defendeu nesta 2ª feira (25.fev.2019) a realização de novas eleições na Venezuela. O número 2 do governo brasileiro falou no encontro do Grupo de Lima. Ele descartou uma intervenção militar no país vizinho.

Mourão disse que o governo de Nicolás Maduro “é uma ameaça que deve ser combatida por meio de eleições gerais”. Em seu perfil no Twitter, o vice-presidente defendeu uma solução de maneira pacífica.

Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão diplomática e econômica internacional para buscar uma solução pacífica. Sem aventuras. Condenamos o regime de Nicolas Maduro e estamos indignados com a violência contra a população venezuelana.

O vice-presidente também reafirmou que “não há intenção de apoio do governo”relacionado ao ingresso de forças armadas estrangeiras no Brasil.

General Hamilton Mourão

@GeneralMourao

O ingresso de forças armadas estrangeiras em território brasileiro depende de aprovação do Congresso Nacional e não há intenção de apoio do governo @jairbolsonaro para tal possibilidade.

#Bogotá#Brazil Vice President @GeneralMourao says under no circumstances would #Brazil allow the U.S. to use its territory to invade #Venezuela

Mourão acrescentou que o país venezuelano “deve voltar ao convívio democrático das Américas” e chamou atenção para a ameaça que representa o regime chavista e de “crimes transnacionais” da cúpula.

Ainda afirmou que Maduro “desconfigura o legado de Simón Bolívar”, militar e líder político venezuelano que apoiava a descolonização –tido como 1 “libertador” da América. Segundo o vice, é necessário trazer para a Venezuela, país rico de recursos e talentos, 1 regresso da prosperidade.

Para Maduro, a Venezuela não conseguirá “livrar-se sozinha do regime chavista”. O momento, de acordo com ele, é de “solidariedade panamericana”.

É necessário, de acordo com o vice-presidente brasileiro, “oferecer o exemplo afortunado de uma ação conjunta, equilibrada e consistente como inspiração para superar a crise da Venezuela”, completou.

O Grupo de Lima reúne-se em Bogotá, na Colômbia, para discutir a saída de Nicolás Maduro do poder na Venezuela. É formado por 13 países latino-americanos e pelo Canadá. Os EUA –que não integram o bloco– participam do encontro na Colômbia.

Poder360